Blogs

Wremyr Scliar

Professor de Direito Administrativo (PUCRS), Doutor, Mestre e Especialista em direito.Conselheiro substituto emérito aposentado do Tribunal de Contas - RS. Comenda Oswaldo Vergara - OAB RS. Primeiro diretor da Escola de Gestão e Controle do Tribunal de Contas - RS.

“Vocês fizeram os Rosenberg se sentarem na cadeira elétrica por nada”

19.09.2017

Em 19 de junho de 1953, na prisão de Sing Sing, N. York, o governo americano eletrocutou na cadeira elétrica o casal Julius e Ethel Rosenberg. Ele morreu na primeira descarga. Após, ela sofreu três descargas elétricas, quando os médicos verificaram que depois da primeira tentativa, Ethel continuava viva.

O casal Rosenberg foi acusado de espionagem atômica em favor da União Soviética, que em 1949 havia feito sua primeira experiência nuclear.

Até então o governo e a imprensa americana desdenhavam da capacidade científica soviética,em uma tentativa de minimizar a sua vitória decisiva sobre as tropas nazistas e ter tomado Berlim alguns anos antes.

Julius era um técnico que trabalhava nas instalações atômicas de Los Alamos, onde se produziram as bombas americanas. Sua identificação, aposta no uniforme e seus documentos de identificação, designava-o como engenheiro de manutenção. Jamais teve acesso às plantas, documentos, laboratórios ou qualquer instalação que contivesse segredos vitais.

No entanto, o sucesso da experiência soviética com o seu primeiro artefato nuclear necessitava de um bode expiatório. Julius, judeu e filho de imigrantes, era o exemplar perfeito para a imprensa e a acusação. Acabou condenado exclusivamente com base em testemunho do seu cunhado David Green que o deletou em troca de uma acordo e ficou apenas 10 anos em prisão.

Ethel foi condenada somente por ser sua esposa e por suposição deveria ter conhecimentos de suas atividades. Contra ela, não  havia processualmente nenhuma prova, mesmo falsa como a usada contra Julius.

Os outros condenados foram Harry Gold (15 anos) e Morton Sobell (17 anos), que foi capturado no México e levado à corte americana. Todos os acusados eram judeus.

Os fatos serviram de base às centenas de perseguições e condenações da execrada comissão de atividades antiamericanas, dirigida por Richard Nixon, um obscuro deputado e por Joseph McCarthy. Dentre os perseguidos e condenados pela comissão estava o cineasta e ator Charles Chaplin.

O testemunho de Greenglass contra seu cunhado Julius foi obtido pelo FBI mediante pressão em sua mulher. Muito depois, ele declarou à imprensa: preferi acusar minha irmã e livrar minha mulher.

De nada adiantaram os apelos pela comutação da pena (jamais civis haviam sido condenados por crime contra a segurança).

Entre os apelantes, que não foram ouvidos, o Papa Pio XII, Sartre, prêmio nobel, Jean Cocteau, Diego Rivera, Frida Kahlo (os pintores mexicanos), Pablo Picasso, Bertold Brecht.

Em 1989, Boris Brokhovich, o russo que dirigia o programa nuclear soviético, eximindo completamente o casal por qualquer atividade ilegal e explicando como tinha sido obtida a fusão nuclear pelo método experimental, em entrevista ao N. Y. Times, desmascarou a acusação e o julgado afirmando: “Vocês fizeram os Rosenberg se sentarem na cadeira elétrica por nada”.

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Wremyr Scliar

Danúbio Gonçalves – o pintor gaúcho e o Gheto de Varsóvia

23.04.2019

Danúbio Gonçalves,  pintor gaúcho, nascido em Bagé,   muralista, gravurista e professor de pintura, morreu aos  96 anos em 21...

As duas irmãs de Renoir – o Holocausto assassinou uma obra de arte

23.04.2019

Em 19 de abril de 1943, os judeus do gheto de Varsóvia se insurgiram contra o nazismo. Lembrar esses...

A Libertação de Auschwitz

21.01.2019

Os quatro batedores ucranianos do exército soviético romperam, em 31 de janeiro de 1945,  as correntes do portão do...

O LEGADO DA BÍBLIA HEBRAICA NA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM – 1948

12.11.2018

Comemora -se em   10 de  dezembro setenta anos da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM aprovada pela recém criada...

As Últimas Testemunhas

28.09.2018

SVETLANA ALEXSIEVITCH está de volta às estantes das livrarias com AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS – CEM HISTÓRIAS NÃO INFANTIS, editora...