Blogs

Nurit Masijah Gil

Sou paulista e moro em Porto Alegre há tempo suficiente para não lembrar da vida antes do ‘bah’. Publicitária, pós graduada em marketing, mãe de duas crianças incríveis (desculpem, foi irresistível), empresária e com desejos literários, meu objetivo nesta coluna é sensibilizar nossa sociedade com informação para desconstruir esterótipos e diminuir preconceitos. Parece utopia, mas prefiro acreditar não passa de um bom desafio.

Viver Israel

12.09.2017

A escolha deste país pode parecer fazer todo o sentido. Claro que faz. Mas ela habita muito além do óbvio.

Quando escolhemos arrumar as malas, queríamos mais do que abandonar a violência, a corrupção e aprender uma nova língua.

É preciso sim coragem. E paciência. E humildade. Mas também ter a cabeça aberta para viver o novo. E neste sentido, cruzar um oceano deixa de ser apenas uma viagem de avião para se transformar na melhor das metáforas.

Israel desconhece mordomias de qualquer tipo. Não há no supermercado, na loja de móveis, muito menos em casa. Lava-se a própria roupa, cozinha-se a própria comida, cuida-se dos próprios filhos, limpa-se a própria casa. O óbvio que a classe média brasileira tantas vezes desconhece. E quando tanto mais precisa caber em vinte e quatro horas, a gente aprende a despir a bagagem dos supérfluos. Não é necessária a mesa de centro, os enfeites de cristal, o salto alto, o buffet infantil, as recepções colossais, o que estampa, o que escancara, o que se tem. Basta-se – de verdade – com o que se é.

Neste processo longo e cheio de altos e baixos, eu sei que uma hora ou outra conjugarei verbos, meu caçula entrará sorrindo na escola, minha filha acompanhará as aulas de ciências. Em algum momento, falaremos hebraico. E faremos parte. Mas a verdade é que arrumamos as malas ansiosos para absorver os novos valores, para que as crianças pudessem aprender através de exemplos numa nova sociedade.

A escolha deste país pode parecer fazer todo o sentido. Claro que faz. Mas ela habita muito além do óbvio.

Nossa escolha não foi morar em Israel.

Escolhemos viver Israel.

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Nurit Masijah Gil

Vivendo em Israel: Ulpan e inspiração

30.01.2018

Primeira história: Ela tinha as portas dos armários forradas de poesia porque queria saber declamar de cor – talvez...

Jerusalém, capital de Israel

08.12.2017

No dia em que EUA reconheceu oficialmente Jerusalém como capital de Israel… O despertador tocou cedo. Lá fora, o...

Perfumando a memória

24.10.2017

Sou brasileira apesar deste país tropical ter estampado a capa do passaporte de poucas gerações da família. Como qualquer...

Taly e Beny

19.04.2017

Taly e Beny, Choveu hoje cedo e acordei durante a madrugada pensando se os levaria para a escola. Se...

Louca e egoísta

30.03.2017

Era vinte e seis de julho de dois mil e três quando a mulher ainda menina secava toda a...