Notícias

Valter Nagelstein: O Ensino no Holocausto

07.07.2016

Desde sua gênese, no ano de 2010, a Lei nº 10.965, sobre o Ensino do Holocausto, vem promovendo o fomento à conscientização e à produção artístico-intelectual pelos jovens da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME-POA).

Tamanha a importância da lei, e do que se propõe, que vemos, agora em 2016, que seus benéficos efeitos foram irradiados com sucesso no sistema público municipal de ensino, tanto para os próprios professores, quanto para os alunos. Em relação a esses, o contato inicial com uma temática tão pesada resultou em diversos projetos artísticos envolvendo a produção de poemas, produção audiovisual, etc.

Os jovens, ao lerem o “Diário de Anne Frank” e conhecerem realidades de outros sobreviventes, bem como histórias de vida de judeus que não sobreviveram, identificaram-se quanto às suas realidades, relacionando-as às suas produções os dois lados. Vê-se que a lei possui resultados evidentes nesse tocante.

Os meninos e meninas que produziram diversos e excelentes trabalhos, com base no que a lei incentiva, são, hoje, mais socialmente conscientes e historicamente embasados, futuros adultos com conteúdos positivos e valores.

O Holocausto é mais do que um fato histórico, é um tema que transversaliza todas as disciplinas, uma vez que o caráter humano envolvido é a sua essência.

O papel do ensino do Holocausto, mais do que tudo,é promover uma educação para a tolerância, uma vez que o mesmo significou o máximo que a intolerância pode levar. Sendo assim, a condenação do Holocausto, através de sua terrível lição, é uma contribuição essencial na pedagogia dos Direitos Humanos.

A Lei nº 10.965/2010 passou a fazer parte do Plano Municipal de Direitos Humanos, a partir de 2016, em seu Artigo 9 sendo, desta forma, agregado ao Programa Estadual de Direitos Humanos. De acordo com a Lei:

Garantir a implementação do plano nacional de educação em direitos humanos, cumprindo as diretrizes nacionais de educação que garanta a efetivação de uma educação antirracista, não homolesbo, transfóbica, sexista, não discriminatória que cumpra as normas técnicas nº 24 e 35 (MEC 2015) e a lei Municipal 10.965/10 sobre a obrigatoriedade do ensino do holocausto.

Porém, ainda temos um longo caminho a percorrer, uma vez que, para a plena aplicabilidade da lei, a mesma deveria constar nos Parâmetros Nacionais para Educação em Direitos Humanos. Deste modo sugere-se que esta proposta seja levada ao Sr. Ministro da Educação, com vistas a que o mesmo possa potencializar esta inclusão.

Vereador Valter Nagelstein

Autor da Lei nº 10.965/10

Leia Mais

Araújo e Netanyahu acertam detalhes da visita de Bolsonaro a Israel

Convidado pelos Estados Unidos e Polônia, o chanceler brasileiro está em Varsóvia participando de uma conferência sobre o Oriente...

Leia mais

15.02.2019

Reitor da melhor universidade de Israel desembarcou no Brasil para desenvolver programa aeroespacial

O Instituto de Tecnologia de Israel (‎Technion) é uma das principais escolas de formação em Ciência e Tecnologia do mundo....

Leia mais

15.02.2019

“Necessária revisão na relação com Israel” – Ney Carvalho (O Globo)

A vinda de Benjamin Netanyahu à posse de Jair Bolsonaro e sua posterior condecoração com a Ordem do Cruzeiro...

Leia mais

15.02.2019

Conheça as startups mais valiosas de Israel

Israel ganhou fama de ser um oásis da tecnologia e passou a ter visibilidade graças ao empreendedorismo de sucesso...

Leia mais

15.02.2019

Quem é Davi Alcolumbre, o 1º judeu presidente do Senado?

O Senado elegeu neste sábado (2), o parlamentar Davi Alcolumbre (DEM-AP) como presidente. Ele obteve 42 dos 77 votos,...

Leia mais

08.02.2019