Blogs

Wremyr Scliar

Professor de Direito Administrativo (PUCRS), Doutor, Mestre e Especialista em direito.Conselheiro substituto emérito aposentado do Tribunal de Contas - RS. Comenda Oswaldo Vergara - OAB RS. Primeiro diretor da Escola de Gestão e Controle do Tribunal de Contas - RS.

SIMON SCHAMA: A história dos judeus – à procura das palavras 1000 a.C. 1492 d.C.

22.02.2016

Simon  Schama é  historiador e pensador inglês, atualmente radicado nos Estados  Unidos onde leciona  em Harvard.

A História  dos Judeus é  um livro diferente que arrola pessoas comuns, talmudistas e personagens históricos  entre os anos 1000 antes da era comum até 1492 quando os judeus são expulsos  da península ibérica.

O livro tem um objetivo particular que o diferencia de outras abordagens históricas:

escolhe  personagens históricos e por igual pessoas comuns buscando nos registros das palavras o material primário  para sua extraordinária  análise  histórica.

Simon Schama tem outra qualidade, além  de pesquisador  de documentos primários. Ele possui relações com arqueólogos e participou de algumas expedições. Ou seja, Simon testemunhou as descobertas sobre a história do povo judeu e com elas montou um cenário  onde desfilam os diferentes  períodos do oriente e ocidente, suas obras arquitetonicas, pinturas, livros, cartas e sobretudo  a cultura judaica e a vida cotidiana das pessoas comuns.

E também suas observações e descobertas desmistificam algumas práticas judaicas consideradas canônica.

Schama constata que muitas sinagogas  foram erguidas particularmente nos predios particulares e possuíam murais imensos em cores narrando e mostrando as figuras dos episódios da Bíblia. É a situação  de um mural do séc. III  a.C.  em Dura-Europos; tambem em Seforis – séc V, com desenhos nos mosaicos do piso.  As pinturas foram posteriomente proibidas.

Na ilha de Elefantina, no rio Nilo, Schama narra a existência  de uma comunidade judaico-egípcia e dela encontra uma emotiva e saudosa carta de um pai ao seu filho que servia no exército do faraó.  A carta fala da saudade do pai e especialmente da mãe judia (nada mudou…)

Também  analisa uma incrível  inscrição em um túnel  de água  sob Jerusalém  relatado por Ezequias  (p. 79).

O túnel  era indispensável para o abastecimento de água e foi construído por duas turmas de proletários que escaparam a partir das extremidades opostas até  se encontrarem.

Gravaram nos local submerso a seguinte inscrição :

“…e essa é  a história  do túnel….de como os homens brandiam suas picaretas,  cada qual voltado para os companheiros…..

Diz Schama: são  180  palavras mais antigas conhecidas em hebraico. Cerca do séc. VIII a. C., não louvam reis, generais, deuses ou milagres.

Elas celebram o triunfo de trabalhadores comuns – os proletários  e suas picaretas.

A cultura e a história  judaica são exatamente isso: o homem é o construtor da história  e a registra  com suas palavras.

Leitura obrigatória.

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Wremyr Scliar

Danúbio Gonçalves – o pintor gaúcho e o Gheto de Varsóvia

23.04.2019

Danúbio Gonçalves,  pintor gaúcho, nascido em Bagé,   muralista, gravurista e professor de pintura, morreu aos  96 anos em 21...

As duas irmãs de Renoir – o Holocausto assassinou uma obra de arte

23.04.2019

Em 19 de abril de 1943, os judeus do gheto de Varsóvia se insurgiram contra o nazismo. Lembrar esses...

A Libertação de Auschwitz

21.01.2019

Os quatro batedores ucranianos do exército soviético romperam, em 31 de janeiro de 1945,  as correntes do portão do...

O LEGADO DA BÍBLIA HEBRAICA NA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM – 1948

12.11.2018

Comemora -se em   10 de  dezembro setenta anos da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM aprovada pela recém criada...

As Últimas Testemunhas

28.09.2018

SVETLANA ALEXSIEVITCH está de volta às estantes das livrarias com AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS – CEM HISTÓRIAS NÃO INFANTIS, editora...