Notícias

‘Shtisel’: as aventuras de uma família ultraortodoxa

25.01.2019

Por Patricia Kogut

Mea Shearim é um bairro de judeus ultraortodoxos em Jerusalém. Em português, seu nome significa “cem portas”. Encostado a ele, ao Sul, fica Geula, outra área que concentra homens que só usam preto, chapéu, costeletas e barba compridos, e mulheres de peruca. Nesse ambiente insular, onde o tempo parece ter freado, vivem os personagens de “Shtisel”, série israelense que chegou à Netflix. Ao acompanhar a trama, o espectador tem a sensação de estar entrando por essas cem portas que dão acesso a costumes diferentes e a regras sociais de outro século hoje restritas àquele ambiente.

Seguimos os dramas da família Shtisel. Eles fazem parte da ramificação ultraortodoxa Haredi, originária da Lituânia. Quando a trama começa, o pai, Shulem (Dov Glickman), professor numa escola rabínica, é viúvo recente. Dos cinco filhos, apenas o caçula, Akiva (Michael Aloni), solteiro, ainda vive com ele num pequeno apartamento. A busca pela noiva ideal para Akiva mobiliza a dupla, já que o matrimônio e os filhos são o objetivo central da vida adulta dos ortodoxos. Para alcançar esse tento, recorrem a um casamenteiro da comunidade. O projeto, entretanto, desmorona quando Akiva se apaixona por Elisheva (Ayelet Zurer), uma balzaquiana que, se não bastasse a ‘idade’, é duas vezes viúva.

O vaivém amoroso de Akiva e suas diferenças com o pai estão no centro da história. E, à medida em que ela avança, outros conflitos vão se somando ao enredo principal. Um deles é o drama de Giti (Neta Riskin). Irmã de Akiva, ela é abandonada pelo marido, com quem tem cinco filhos. Há ainda a mãe de Shulem, Malka (Hana Rieber), que vive num lar de idosos e com quem ele só dialoga em iídiche. Palavras desse dialeto dos judeus da Europa Oriental também se misturam ao hebraico, a língua dominante na série. Entre tantas máscaras sociais e a imensa rigidez de comportamento, os personagens de ‘Shtisel’ vão, aos poucos, revelando suas imperfeições. Trata-se de um drama, mas com bom espaço para o humor.

Essa é uma daquelas produções de baixo custo que se apoia sobretudo num excelente roteiro. Não há muitas externas, nem precisa: os cenários, domésticos ou na sinagoga, na quitanda e na yeshiva (a escola religiosa), são os os mesmos da vida privada. Não perca.

 

Fonte: O Globo

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019