Notícias

Rafael Bán Jacobsen – FIRS : “O Holocausto e a vergonha dos justos”

26.01.2018

No livro A Trégua, Primo Levi relembra o encontro com os primeiros soldados russos que, em 27 de janeiro de 1945, chegaram ao campo de Auschwitz. Junto ao arame farpado, detiveram-se “para observar os cadáveres decompostos, os barracões arruinados e os poucos vivos”. Levi e outros prisioneiros enfim reencontravam a liberdade. Devido ao episódio, a data foi escolhida como o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

É algo diferente de outros acontecimentos lembrados pela comunidade judaica. Em Hanuká, festejamos a vitória sobre o reino selêucida; em Purim, o triunfo contra o plano genocida dos persas; no Dia de Jerusalém, a reconquista da cidade por Israel. São exemplos que evidenciam a tônica de nossas celebrações: lutamos, vencemos e nos libertamos. O 27 de janeiro, porém, foi marcado por uma remição que não emanou da fibra dos judeus, mas de eventos conduzidos por outros povos. Por que, dessa vez, não foi possível vencer o inimigo?

A resposta pode estar no mesmo sentimento que explica a ausência de manifestações de alegria por parte dos prisioneiros de Auschwitz quando viram os primeiros salvadores: a vergonha. Levi conta-nos como a hora da liberdade foi grave, com um “doloroso sentimento de pudor” que se transmitia até mesmo aos soldados russos: “Pareciam sufocados, não só por piedade, mas por uma confusa reserva. Era a mesma vergonha conhecida por nós”. O autor descreve essa vergonha imobilizadora como aquela experimentada pelo justo perante a falta cometida por outra pessoa, fazendo-o afligir-se com a ideia de que a mácula tenha se entranhado irrevogavelmente no tecido da realidade e que nenhuma boa vontade sua tenha servido para impedir.

Que o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto permita-nos refletir sobre esse e tantos outros atos de violência, aqueles do passado e os de hoje, fazendo, sim, com que nos envergonhemos de cada um deles. Mas que essa vergonha não nos paralise: que sirva para mover a indignação, o protesto e atitudes que deem voz aos que não podem gritar e braços aos que não têm força para lutar por si.

 

Rafael Bán Jacobsen é diretor da Federação Israelita do RS. Artigo publicado em Zero Hora

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019