Notícias

Polícia Civil de Blumenau apreende material nazista

06.12.2017

Revistas, camisetas, vídeos e um desenho de traços até infantis. Armas, um punhado de maconha e cinco pessoas conduzidas para prestar depoimentos, dois com tatuagens pelo corpo com símbolos de grupos supremacistas. Este foi o saldo da Operação Hateless – Menos ódio, em tradução livre – deflagrada pela Polícia Civil de Blumenau para desmontar uma organização acusada de cometer crimes de racismo e fazer apologia ao nazismo. De acordo com o delegado Lucas Gomes de Almeida, da 2ª Delegacia de Polícia de Blumenau, eles atuariam com orientação de um grupo neonazista de São Paulo que estaria tentando se instalar em Blumenau.

 Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em três cidade do Vale do Itajaí: dois em Blumenau, dois em Itajaí e um em Indaial. Em todos os locais, uma pessoa foi conduzida de forma coercitiva para prestar esclarecimentos à polícia. Segundo Gomes, foram conduzidos quatro homens – dois de Blumenau e dois de Itajaí – e uma mulher, de Indaial.

Ele explica que desde a denúncia apresentada pelo advogado Marco Antônio André, de Blumenau, que se deparou com dois cartazes com ameaças por ele ser negro e praticante do candomblé colados em sua porta e em um poste em frente a sua casa, as investigações tiveram início. Gomes diz que a apuração dos fatos apontou para o grupo, que também seria responsável por cartazes com mensagens de ódio que foram colados pelas ruas de Blumenau no dia 21 de outubro. De acordo com o delegado, um dos rapazes confessou em depoimento que confeccionou e colou os cartazes sem ajuda de ninguém. Esta confissão, de acordo com Gomes, também estaria em uma gravação arquivada no celular apreendido com a garota.

Os cinco foram ouvidos e liberados pelo delegado. Um deles deve responder por porte de arma de fogo em Itajaí, já que em sua casa foi encontrada uma arma durante o cumprimento do mandado. Em Blumenau, o delegado deve concluir o inquérito pelos crimes de injúria e racismo e, se comprovada a participação de todos, podem ser condenados a até 10 anos de prisão.

Relembre o caso

Em setembro deste ano o  advogado Marco Antonio André, morador de Blumenau, se deparou com cartazes, um colado na porta de casa e outro em um poste da rua onde vive, no bairro Ponta Aguda, que traziam com símbolos de um grupo supremacista norte-americano e faziam ameaças por ele ser negro e praticante do candomblé. Diante da situação, Marco Antonio publicou um desabafo nas redes sociais que teve mais de 1,4 mil compartilhamentos em menos de 24 horas.

Após o ocorrido, o secretário de Estado da Segurança Pública César Augusto Grubba determinou rigor na apuração e identificação dos autores de cartazes racistas e de intolerância religiosa vistos em Blumenau. Ele também orientou que a equipe de videomonitoramento da SSP fizesse uma busca minuciosa nas imagens captadas pelas câmeras instaladas nos locais onde os cartazes foram colados.

 

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019