Blogs

Nurit Masijah Gil

Sou paulista e moro em Porto Alegre há tempo suficiente para não lembrar da vida antes do ‘bah’. Publicitária, pós graduada em marketing, mãe de duas crianças incríveis (desculpem, foi irresistível), empresária e com desejos literários, meu objetivo nesta coluna é sensibilizar nossa sociedade com informação para desconstruir esterótipos e diminuir preconceitos. Parece utopia, mas prefiro acreditar não passa de um bom desafio.

Perfumando a memória

24.10.2017

Sou brasileira apesar deste país tropical ter estampado a capa do passaporte de poucas gerações da família. Como qualquer judia, sou resultado de um caldeirão de culturas. Uma pitada sérvia, meia xícara russa, três litros polonesa, duas colheres de chá gregas e cobertura francesa. Receita para cozinhar com os olhos fechados e perfumar a memória sem sequer precisar buscar em cadernos de receita amarelados pelo tempo.
Cheguei a Israel com nome local, cabelo local, feições locais e pertencimento. Como se assim tivesse sempre sido e como quase todo o mundaréu de gente com quem cruzo todos os dias pelas ruas. Sou daqui.
Mas não ignoro que as mesmas escalas que me ensinaram a gostar de doce de leite, bossa nova e cheirinho de refogado. A dizer “por favor”, “obrigada”. A ter paciência. Que fizeram doces as minhas memórias de avô com sotaque na mesa de domingo “Me passa a feijón”, também construíram o sotaque que hoje eu carrego, sem conseguir tirar qualquer erre do fundo da garganta. E então, não sou daqui.
Todos os dias, estou ao lado de gente que como eu, é e não é daqui. Com traços locais e gostos típicos de suas próprias andanças. Como irmãos que voltam para casa e contam sobre suas histórias. Que carregam o mesmo passado, mas trilharam caminhos diferentes. Em Israel tudo é intenso e, de verdade, a história acontece diante dos nossos olhos.
E é daqui, enquanto transformo casa em lar, que testo os sabores que perfumarão as memórias dos que ainda virão.
Agora que estou justamente onde sou.

1 Comentário a Perfumando a memória

  1. 16 de novembro de 2017 at 13:01 | Permalink

    Bom dia, gostei do que li…podes enviar sempre te Blog,.. abraço

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Nurit Masijah Gil

Vivendo em Israel: Ulpan e inspiração

30.01.2018

Primeira história: Ela tinha as portas dos armários forradas de poesia porque queria saber declamar de cor – talvez...

Jerusalém, capital de Israel

08.12.2017

No dia em que EUA reconheceu oficialmente Jerusalém como capital de Israel… O despertador tocou cedo. Lá fora, o...

Viver Israel

12.09.2017

A escolha deste país pode parecer fazer todo o sentido. Claro que faz. Mas ela habita muito além do...

Taly e Beny

19.04.2017

Taly e Beny, Choveu hoje cedo e acordei durante a madrugada pensando se os levaria para a escola. Se...

Louca e egoísta

30.03.2017

Era vinte e seis de julho de dois mil e três quando a mulher ainda menina secava toda a...