Blogs

Nurit Masijah Gil

Sou paulista e moro em Porto Alegre há tempo suficiente para não lembrar da vida antes do ‘bah’. Publicitária, pós graduada em marketing, mãe de duas crianças incríveis (desculpem, foi irresistível), empresária e com desejos literários, meu objetivo nesta coluna é sensibilizar nossa sociedade com informação para desconstruir esterótipos e diminuir preconceitos. Parece utopia, mas prefiro acreditar não passa de um bom desafio.

“Os judeus, por uma goy quase judia”

06.04.2016

Hoje resolvi transcrever um texto que não é meu, mas da Gabriela Marques, uma ‘goy quase judia’ como ela se definiu nesta publicação do Smiling and Waiting, site que edita.

Vejam se não é no mínimo divertido olhar-se através da lente do outro:

 

“OS JUDEUS, POR UMA GOY QUASE JUDIA

…Se você não é judeu, você é goy. Não importa que religião tenha. Não é discriminação, mas uma denominação como por exemplo: não brasileiro é gringo, não judeu é goy (a mãe de um ex-namorado dizia que eu poderia me apresentar como Gabriela Goytchman para os que olhassem torto por eu não ser judia). Judeu não vai ao hospital, vai ao Einstein. Judeu não tem faniquito, tem schpilkes. Muito menos tem aflição ou nojinho, tem nizchguit. Judeu não tem empregada, tem xicse e não é moreno do sol, é schvartz. Judeu não tem réveillon, tem Rosh Hashaná, que vem logo antes do Iom Kipur, quando passam 25 horas sem comer. Nem água? Não, nada! E depois tem Sucot. Judeu não deseja Feliz Ano Novo, deseja Shaná Tová. Nem sai de casa mal vestido, sai schleper.

Judeu não vai para Israel, vai para Eretz. Eles não são diferenciados, são o povo escolhido. Ser judeu não significa que você é da mesma “turma”: você pode ser sefaradi, askenazi e dependendo da descendência, pode ser cohen, israel e levi (estava pensando que era fácil?). Judeu não tem mãe pentelha, tem idish mame. Judeu não faz encontro de família sexta à noite, faz shabat. Judeu não faz reza e fala oi, tchau e paz, fazem a bracha e dizem shalom. Judeu não casa só com judia, mas é que “seria mais fácil e se eu puder escolher, prefiro…”. Judeu não agita um casal, faz shiduch. Também não faz boa ação, faz mitzvah. Judeu aprende inglês e hebraico na escola (mas depois percebe que não sabe falar nem uma frase completa chegando em Israel). Judias não fazem festa de 15 anos, fazem bat-mitzvah aos 12. Judeus não gritam “saúde” eles brindam com Lechaim e dizem Mazal Tov em comemorações.”

E então, alguém se habilita a completar a lista?

2 Comentários a “Os judeus, por uma goy quase judia”

  1. ari's Gravatar ari
    13 de abril de 2016 at 21:08 | Permalink

    Bom texto. Apenas uma pequena correção : Rosh Hashaná acontece antes de Iom Kipur

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Nurit Masijah Gil

Vivendo em Israel: Ulpan e inspiração

30.01.2018

Primeira história: Ela tinha as portas dos armários forradas de poesia porque queria saber declamar de cor – talvez...

Jerusalém, capital de Israel

08.12.2017

No dia em que EUA reconheceu oficialmente Jerusalém como capital de Israel… O despertador tocou cedo. Lá fora, o...

Perfumando a memória

24.10.2017

Sou brasileira apesar deste país tropical ter estampado a capa do passaporte de poucas gerações da família. Como qualquer...

Viver Israel

12.09.2017

A escolha deste país pode parecer fazer todo o sentido. Claro que faz. Mas ela habita muito além do...

Taly e Beny

19.04.2017

Taly e Beny, Choveu hoje cedo e acordei durante a madrugada pensando se os levaria para a escola. Se...