Notícias

“OAB vai à Escola”: programa em parceria com a FIRS visita o Colégio Estadual Dom João Becker

02.07.2018

O projeto OAB vai à Escola conversou com alunos do ensino médio do Colégio Colégio Estadual Dom João Becker na manhã desta quinta-feira (14). Durante o encontro, os alunos ouviram e interagiram com os temas: direitos humanos, bullying, violência contra a mulher e sobre as eleições de 2018.

O presidente da Comissão Especial da Criança e do Adolescente (CECA), Carlos Kremer, comentou sobre a importância de se saber em quem irá ser direcionado o voto: “Estamos em um ano eleitoral e temos de ir atrás do passado das pessoas para ver se, de fato, podem cumprir o que estão prometendo”, disse. Kremer destacou que o voto é uma conquista da democracia e um exercício da cidadania.

Direitos Humanos

A integrante da Comissão de Direitos Humanos Sobral Pinto da OAB/RS (CDH), Ana Carolina Stein, lembrou que a Organização das Nações Unidas (ONU), em 1945, lançou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ela afirmou que os direitos humanos são voltados para todas as pessoas e servem para a sociedade se tornar mais humana: “Vocês têm noção de que, se já estivéssemos amadurecidos como sociedade, não precisaríamos de diversas leis? E, além disso, o quanto pessoas são discriminadas por ter a cor da pele ou religião diferente das outras em pleno século XXI? Os direitos humanos são a base da democracia”, argumentou. Ana Carolina ainda lembrou.

Um tema com forte relação com a Declaração dos Direitos Humanos é o holocausto durante a 2ª Guerra Mundial. O vice-presidente da Federação Israelita do Rio Grande do Sul, Roberto Wofchuk, abordou o tema. Segundo ele, todos precisam saber o que ocorreu naquela época para que não se repita hoje. Ele alertou sobre a situação vivida pela população na Síria: “ Ainda hoje, existem diversos holocausto, com proporção diferente daquela época, como, por exemplo, na Síria. Vocês sabem pelos jornais, televisão, rádio e internet sobre a situação gravíssima do país. Não podemos ser indiferentes a esses temas”, alertou.

Criança e Adolescente

O presidente da Comissão Especial da Criança e do Adolescente (CECA), Carlos Kremer, abordou o tema do ato infracional, que é diferente para um adolescente e para uma pessoa com idade igual ou superior a 18 anos. De acordo com ele, o ato infracional é uma conduta descrita como crime ou contravenção penal, e o termo é adotado como crime, delito ou contravenção para quem já tiver a idade de 18 anos ou mais. Kremer aproveitou a oportunidade para explicar a divisão do Estatuto da Criança e do Adolescente: “O ECA é dividido em três partes, o sistema primário que é voltado para política públicas, o sistema secundário para a proteção e o sistema terciário é para o adolescente em conflito com a lei”, abordou.

Ainda sobre questões voltadas às crianças e aos adolescentes está o bullying. A integrante da CECA, Andrea Rosa, disse que é preciso construir uma cultura de paz e manter o respeito com as pessoas: Precisamos fazer o bem para viver em sociedade. Vamos cuidar de nós e dos outros o tempo todo, porque isso gera a paz e boa convivência”, chamou a atenção.

Violência contra a mulher

Em uma pesquisa realizada pelo portal G1, doze mulheres são assassinadas por dia no Brasil. De acordo com a integrante da Comissão da Mulher Advogada (CMA), Camilla Feoli, o país é o 5º no mundo que mais mata mulheres: Mulheres morrem todos os dias pelo fato de serem mulheres. Muitas vezes, a violência contra a mulher começa em casa, seja por alguém da família ou em um relacionamento abusivo, e precisamos efetuar denúncias ao nos depararmos com isso”, afirmou. Camila. Ela ainda contou que o feminismo e o machismo são diferentes: “O feminismo prega a igualdade de gênero enquanto o machismo tenta diminuir a mulher. Como já foi falado aqui, precisamos respeitar a escolha, a crença, o gênero das pessoas”, lembrou.

Camila ainda aproveitou para dizer como a denúncia de violência contra a mulher pode ser feita: “ Vocês podem denunciar pelo “180”, que funciona como disque-denúncia. Qualquer um pode fazer a ligação, e a denúncia pode ser feita de forma anônima também”, comentou.

Também estiveram presentes: as integrantes da Comissão da Mulher Advogada da OAB/RS, Ellen Martin, Joice Raddatz, Kelli Menin e Luceline Prado.

O que é o OAB Vai à Escola?

Crianças empoderadas, qualificadas, cientes do seu papel social e protagonistas da sua própria história. Essa é a ideia do projeto da OAB Vai à Escola, em parceria com a Secretaria Estadual de Educação e a ONG Parceiros Voluntários. O projeto, que vai levar debates de interesse social à rede educacional, vai atingir cerca de 950 mil estudantes em 1545 escolas de todo o Estado.

O Projeto OAB vai à Escola visa, através de ações de cidadania das Comissões de Direitos Humanos Sobral Pinto (CDH) da OAB/RS; da Criança e Adolescente (CAC); e da Mulher Advogada (CMA), a informar os professores, alunos, pais e a comunidade escolar sobre seus direitos e deveres, conforme o interesse da escola, que escolhe o assunto e o formato (palestra, debates ou rodas de conversa).

Na edição de 2018, o programa tem o reforço da ONG Parceiros Voluntários, para a implantação do programa Valores na Educação dentro do projeto OAB vai à Escola. Os programas atuarão em conjunto nas escolas do Rio Grande do Sul, por meio do Ação Tribos nas Trilhas da Cidadania, projeto da Parceiros Voluntários que visa a estimular, em crianças e jovens, a prática da responsabilidade individual, promovendo o protagonismo infanto-juvenil, integrando a comunidade escolar através de ações sociais.

O presidente da OAB/RS, Ricardo Breier, que também é presidente da Comissão de Direitos Humanos Sobral Pinto, já atuou no projeto, visitando escolas para falar sobre cidadania. “O papel de nossa entidade é, além de olhar para a advocacia, de também se preocupar com a cidadania. Somos mais de 60 comissões e 106 subseções. Iremos atuar em conjunto, engajados, e abrangendo todo o Estado. Acreditamos que a união faz a força”, destacou o dirigente. “Esta parceria reforça a nossa causa, contribuindo para o nosso espírito de luta por causas cidadãs”, ratificou.

O presidente da Ordem ainda antecipou que um dos temas a ser discutido nas escolas será o do Vote Consciente, campanha que está sendo preparada para as próximas eleições: “Pretendemos conscientizar e levar informação à população sobre a importância de sua escolha, o que refletirá num país melhor”, reiterou.

 

texto e fotos: João Vitor Pereira (OAB/RS)

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019