Notícias

O recorde de Netanyahu e o processo de paz israelo-palestino

04.01.2017

Por Jaime Spitzcovsky – publicado na Folha de São Paulo em 02/01/2017

Primeiro-ministro desde 2009, Binyamin Netanyahu conquistou um recorde na história da democracia israelense. Contabilizou em novembro mais de 2.790 dias consecutivos no poder e ultrapassou a marca, registrada entre 1955 e 1963, por David Ben-Gurion, pai da independência de Israel.

Mas o socialista Ben-Gurion, na soma dos mandatos, acumulou cerca de 13 anos, contra uma década de governos do direitista Netanyahu. Além de aritmética parlamentarista, a comparação entre as trajetórias ajuda a enxergar o pêndulo da política em Israel, ao abandonar o campo socialista, onde permaneceu principalmente entre 1948 e 1977, para se abrigar em bastiões da direita.

A fórmula “paz por terra”, defendida pelos sucessores de Ben-Gurion, perdeu espaço, no eleitorado israelense, para a cartilha da direita, alicerçada em temas como segurança e linha dura na questão palestina.

Netanyahu e aliados se fortaleceram nos últimos anos sobretudo ao desenhar o agravamento de turbulências regionais ameaçadoras para Israel. Enfileiram temas como a Primavera Árabe, responsável por deslanchar mudanças e guerras civis, como a da Síria, país vizinho a Israel. No conflito sírio, emergiu o Estado Islâmico, mais uma preocupação para autoridades israelenses na área de terrorismo.

Netanyahu também calcula que o regime iraniano, inimigo estratégico, se fortaleceu com o acordo nuclear com as potências globais, em 2015, costurado a partir do princípio de Teerã recuar de ambições atômicas, em troca do fim de sanções econômicas.

Para o premiê israelense, os aiatolás vão salvar a economia e manter parte importante da infraestrutura atômica. O Irã, segue a lógica de Netanyahu, também se fortalece no tabuleiro regional com a sobrevivência, na Síria, do regime de Bashar al-Assad, aliado de Teerã.

O entrincheiramento defendido pela direita israelense aponta ainda para inimigos nas fronteiras, como Hamas, na faixa de Gaza, e o libanês Hizbullah, defensores da destruição do Estado judeu. Conclui a lógica de Netanyahu: o entorno geopolítico de Israel se deteriorou drasticamente nos últimos anos, a ponto de minar possibilidade de concessões em um acordo de paz com os palestinos.

Apesar da atual resistência de Netanyahu, permanece a necessidade de saídas negociadas para o conflito israelo-palestino. Mas, se a pressão das últimas semanas sobre o governo israelense e sua política de assentamentos na Cisjordânia não vier acompanhada de cobranças sobre a Autoridade Nacional Palestina (ANP), são escassas as chances de um diálogo promissor.

Duas medidas, vindas da Cisjordânia, contribuiriam para a decolagem de um processo de paz: fim do incitamento à violência, ainda presente na mídia oficial palestina, e construção de uma liderança rejuvenescida e fortalecida.

Mahmoud Abbas, presidente da ANP, no cargo desde 2005, ignora eleições e se perpetua no poder. No último congresso de seu movimento, o Fatah, barrou opositores.

Sem gestos mútuos e construção de confiança, não há como imaginar o avanço consistente de um processo de paz, tão necessário para o conflito israelo-palestino.

 

Fonte: Folha de São Paulo

Leia Mais

Araújo e Netanyahu acertam detalhes da visita de Bolsonaro a Israel

Convidado pelos Estados Unidos e Polônia, o chanceler brasileiro está em Varsóvia participando de uma conferência sobre o Oriente...

Leia mais

15.02.2019

Reitor da melhor universidade de Israel desembarcou no Brasil para desenvolver programa aeroespacial

O Instituto de Tecnologia de Israel (‎Technion) é uma das principais escolas de formação em Ciência e Tecnologia do mundo....

Leia mais

15.02.2019

“Necessária revisão na relação com Israel” – Ney Carvalho (O Globo)

A vinda de Benjamin Netanyahu à posse de Jair Bolsonaro e sua posterior condecoração com a Ordem do Cruzeiro...

Leia mais

15.02.2019

Conheça as startups mais valiosas de Israel

Israel ganhou fama de ser um oásis da tecnologia e passou a ter visibilidade graças ao empreendedorismo de sucesso...

Leia mais

15.02.2019

Quem é Davi Alcolumbre, o 1º judeu presidente do Senado?

O Senado elegeu neste sábado (2), o parlamentar Davi Alcolumbre (DEM-AP) como presidente. Ele obteve 42 dos 77 votos,...

Leia mais

08.02.2019