Blogs

Wremyr Scliar

Professor de Direito Administrativo (PUCRS), Doutor, Mestre e Especialista em direito.Conselheiro substituto emérito aposentado do Tribunal de Contas - RS. Comenda Oswaldo Vergara - OAB RS. Primeiro diretor da Escola de Gestão e Controle do Tribunal de Contas - RS.

O LEGADO DA BÍBLIA HEBRAICA NA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM – 1948

12.11.2018

Comemora -se em   10 de  dezembro setenta anos da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM aprovada pela recém criada ONU em Paris.

O final  II  Guerra, com a destruição de 2.000 cidades, 20.000 aldeias, a morte de 70 milhões de soldados e civis em uma  coordenada, industrializada e científica guerra de rapina,  iniciada pelos nazistas com o apoio da indústria alemã e seus aliados,   finalmente se torna visível.  Mas o fato  principal ê a maior barbárie da História.

Em 2.000 campos de concentração,  trabalho escravo, extermínio sistemático e nos guetos,  seis milhões de judeus foram assassinados.

Sob essa terrivel   revelação,,   os  países vencedores e livres declaram os direitos humanos.

No Palaia  Chaillot funcionou a   comissão        redatora sob o impacto emocional da hecatombe mundial e do holocausto judeu.

Os mais destacados membros eram três eminentes juristas  judeus:  René Samuel Cassin, guerrilheiro e sobrevivente de Auschwitz, Pierre Mendes-France depois primeiro ministro e o alemão naturalizado francês  Stephanie Hessel.

São eles que exigem o titulo  de   “universal” para a Declaração, seguindo o modelo

adotado em 1789 na revolução francesa.

A influência e o legado  do Pentateuco são  evidentes e resultam também do impacto do indescritível holocausto. Os valores da

Liberdade, igualdade e Fraternidade estão no Deuteronomio e Exodus.

Alinham-se a eles a  sacralidade da vida, o império da lei (já  antes inscritos em 1789), a vedação da escravidão, o direito de exílio e acolhimento, além de direitos sociais.

A PUCRS estará editando um livro comemorativo: meu capítulo é  o LEGADO da Bíblia Hebraica nas Declarações de 1789 (obra revolucionária) e na Declaração.de 1948.

Universais.

OS  direitos humanos legados iniciam nos Mandamentos e seguem   nos principios  posteriores, especialmente nos discursos dos profetas.

É para celebrar!

É    para reafirmar!

É  para defende-los!

3 Comentários a O LEGADO DA BÍBLIA HEBRAICA NA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM – 1948

  1. FRANCISCO DVANIR DE LAVOR's Gravatar FRANCISCO DVANIR DE LAVOR
    30 de novembro de 2018 at 22:02 | Permalink

    Sensacional a matéria. História pura. Parabéns. Francisco Dvanir de Lavor. Em tempo: Estive no Recife onde conheci a Museu Sinagoga Kahal Zur Israel. fioe.sec@israelita.org.br. A mais antiga das Américas. Saudações.

  2. Silvio Lewgoy's Gravatar Silvio Lewgoy
    21 de dezembro de 2018 at 23:25 | Permalink

    Quem sabe, sabe! Excelente, como de costume!

  3. Rodrigo Freitas Palma's Gravatar Rodrigo Freitas Palma
    21 de janeiro de 2019 at 20:54 | Permalink

    Excelente análise. Abraço cordial ao meu estimado amigo Prof. Wremyr Scliar!

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Wremyr Scliar

Danúbio Gonçalves – o pintor gaúcho e o Gheto de Varsóvia

23.04.2019

Danúbio Gonçalves,  pintor gaúcho, nascido em Bagé,   muralista, gravurista e professor de pintura, morreu aos  96 anos em 21...

As duas irmãs de Renoir – o Holocausto assassinou uma obra de arte

23.04.2019

Em 19 de abril de 1943, os judeus do gheto de Varsóvia se insurgiram contra o nazismo. Lembrar esses...

A Libertação de Auschwitz

21.01.2019

Os quatro batedores ucranianos do exército soviético romperam, em 31 de janeiro de 1945,  as correntes do portão do...

As Últimas Testemunhas

28.09.2018

SVETLANA ALEXSIEVITCH está de volta às estantes das livrarias com AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS – CEM HISTÓRIAS NÃO INFANTIS, editora...

Quando ela era boa, de Philip Roth

21.09.2018

QUANDO ELA ERA BOA, romance do judeu-americano Philip Roth, de 1967, agora traduzido e editado no Brasil pela Cia....