Blogs

Marcos Weiss Bliacheris

O lado judaico do Super Bowl

02.02.2017

Quando comecei a escrever no site da Federação Israelita, disse que iria buscar um olhar judaico sobre os assuntos que trataria. Esta coluna não é diferente. Vamos falar do Super Bowl, o jogo final da NFL, a liga de futebol americano, aquele jogado com as mãos, com uma bola oval e onde se grita “touchdown” e não “gol”.

(Se você não sabe as regras, leia esta coluna do meu filho, Amir Ribemboim Bliacheris, explicando tudo: http://esportesmais.com.br/welcome-to-nfl-regras/ . Quem se interessar pode acompanhar a página dele no facebook: https://www.facebook.com/sabedorianfl/?fref=ts. Propaganda de pai vale!).

O Super Bowl é um dos maiores eventos esportivos mundiais. Mais de cem milhões de pessoas o assistem, somente nos EUA. Como curiosidade, é o segundo dia de maior consumo de alimentos naquele país e o seu intervalo é o minuto mais caro da televisão mundial.

Este ano o Super Bowl coloca em campo o New England Patriots do lendário Tom Brady, bastante conhecido no Brasil como marido de Gisele Bundchen e o Atlanta Falcons. Brady levou os Patriots a quatro títulos, gostinho que o time sulista nunca teve.

Por coincidência, ambas as franquias (como são chamadas lá) são de proprietários judeus, ambos grandes doadores de causas comunitárias e para Israel e com fortes laços com as comunidades judaicas locais. Boston tem uma comunidade de mais de 260 mil judeus enquanto Atlanta chega perto de 200 mil.

O proprietário do Falcons é Arthur Blank, um dos fundadores e proprietários da Home Depot e um dos bilionários que assinou o compromisso de doar para instituições de caridade 50% de sua fortuna. É um doador das instituições comunitárias judaicas do sul dos EUA e para as instituições judaicas de saúde.

Robert Kraft, proprietário dos Patriots, comanda o grupo empresarial Kraft. Vindo de uma tradicional família judaica, ele jogou futebol americano na juventude, quando era conhecido por não jogar no shabat.

Reconhecido filantropo, doou mais de 100 milhões para caridade, incluindo causas e instituições judaicas e israelenses, destacando-se o Estádio Família Kraft, de futebol americano, em Jerusalém. A liga israelense de futebol americano leva seu nome e os jogadores do Patriots costumam visitar o País, levados por Robert Kraft e por sua família.

Kraft, que doou 20 milhões de dólares para pesquisas médicas em Israel, Quando um jovem judeu americano, torcedor dos Patriots, foi morto em um atentado terrorista, ele foi homenageado pelo time em rede nacional. É um costume dos times fazer visitas de policiais e soldados americanos em seus estádios e jogos. Os Patriots  organizam visita também para soldados israelis em seu estádio.

Se proprietários de times judeus são comuns, jogadores são mais raros e os Patriots tem dois: Julian Edelman e Nate Ebner.

Se Ebner é mais discreto, Edelman, por outro lado, é um dos destaques da equipe dos Patriots. Com suas recepções seguras e presenças nas redes sociais em todas as datas comemorativas judaicas, Edelman encerra muitas de suas postagens antes de jogos com a hashtag #yallah, fazendo alusão à gíria israelense.

No vôo inaugural de Boston para Israel, Edelman era atração, sendo este mais um dos fortes elos que unem a comunidade judaica aos Patriots.

A torcida de nossa família pelos Patriots também tem tudo a ver com judaísmo. Afinal, todos nós viramos fãs deles quando eles mandaram um belo presente de bar mitzvá para meu filho Amir (que ama futebol americano)!

Na carta que acompanhou o presente, os Patriots cumprimentavam pelo Bar Mitzvah e diziam que “no caminho para alcançar esta honra, você demonstrou grande disciplina e dedicação nos seus estudos da Torah.

Para conseguir este admirável objetivo de se tornar um bar mitzvah, você alcançou alto nível de trabalho duro, dedicação e comprometimento. Os Patriots reconhecem a importância deste valores, pois eles foram essenciais para a conquista de quatro Super Bowls”.

Neste domingo, estaremos torcendo pela chegada do quinto Super Bowl.

Yallah Patriots!

Tom Brady, astro dos New England Patriots e o proprietário da franquia, Robert Kraft, em visita a um base militar em Israel.

Tom Brady, astro dos New England Patriots e o proprietário da franquia, Robert Kraft, em visita a um base militar em Israel.

Julian Edelman, wide reciever dos Patriots, no Muro das Lamentações em Jerusalém.

Julian Edelman, wide reciever dos Patriots, no Muro das Lamentações em Jerusalém.

 

 

 

 

 

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Marcos Weiss Bliacheris

Inclusão se aprende em comunidade

06.08.2018

A inclusão se aprende na prática, vivendo. Ninguém aprende a incluir somente nos livros. Existe a teoria, mas nada...

O LADO JUDAICO DO SUPER BOWL LII

03.02.2018

Neste domingo, 04 de fevereiro, será jogada a 52ª. edição do Super Bowl que coloca em campo o New...

Extraordinário

27.12.2017

Está em cartaz nos cinemas o filme “Extraordinário”, baseado no livro homônimo. Estrelado por Owen Willians e Julia Roberts,...

Chalá redonda

20.09.2017

Rosh Hashaná é uma festa cheia de símbolos mas um que me fascina é a chalá agulá. Esta foi...

Ano Novo das Árvores

10.02.2017

No próximo dia 11 de fevereiro , no dia 15 do mês de Shvat do calendário hebraico, comemoramos o...