Notícias

Monumento em memória das vítimas da Olimpiada de Munique é inaugurado no Rio de Janeiro

04.08.2016

O presidente do Comitê Olímpico Internacional-COI, Thomas Bach, participou, nesta quarta-feira(03.08), da inauguração de um monumento em homenagem às vítimas israelenses de um atentado terrorista cometido durante a Olimpíada de Munique, em 1972. Em 5 de setembro, onze integrantes da equipe olímpica de Israel foram mortos pelo grupo terrorista palestino denominado Setembro Negro. Até hoje esta é considerada a maior tragédia da história dos Jogos Olímpicos.

Durante a cerimônia realizada na Vila Olímpica do Rio de Janeiro, foi respeitado um minuto de silêncio. Em seu discurso, Bach exaltou a importância dos Jogos Olímpicos como um momento de paz e reflexão para lembrar daqueles que passaram pelos jogos e dedicaram amor ao esporte.  “A Olimpíada é um momento para celebrar a alegria de vida, celebrar o poder do esporte e união da humanidade e a solidariedade. Hoje é um dia para ser lembrado no futuro. Para dedicar um lugar especial àqueles que não estão mais conosco”, afirmou o presidente do COI inaugurando o Local de Luto, formado por duas pedras da antiga Olímpia envolvidas em vidro em uma parte arborizada da vila dos atletas.

A cerimônia contou com a presença de autoridades, delegações e representantes da comunidade judaica como o Rabino Nilton Bonder. As viúvas de dois dos 11 israelenses assassinados também estiveram presentes. Ankie Spitzer e Ilana Romano, esposas de Andre, treinador de esgrima e Joseph levantador de peso lutaram anos para que o COI realizasse uma cerimônia oficial. “Isto é um encerramento para nós. É incrivelmente importante. Nós aguardamos 44 anos para ter essa lembrança e reconhecimento para nossos entes queridos que foram brutalmente assassinados em Munique”, disse Ankie a repórteres no recém-estabelecido local de luto.

O Massacre de Munique foi uma operação organizada pelo grupo palestino Setembro Negro em 1972. Oito terroristas invadiram armados, no dia 5 de setembro, a Vila Olímpica de Munique e renderam nove membros da delegação de Israel. A principal exigência feita pelos terroristas foi a libertação de 200 prisioneiros palestinos de prisões israelenses. A polícia alemã ainda tentou surpreendê-los, mas as ações não obtiveram sucesso culminando na morte dos reféns.

Leia Mais

Araújo e Netanyahu acertam detalhes da visita de Bolsonaro a Israel

Convidado pelos Estados Unidos e Polônia, o chanceler brasileiro está em Varsóvia participando de uma conferência sobre o Oriente...

Leia mais

15.02.2019

Reitor da melhor universidade de Israel desembarcou no Brasil para desenvolver programa aeroespacial

O Instituto de Tecnologia de Israel (‎Technion) é uma das principais escolas de formação em Ciência e Tecnologia do mundo....

Leia mais

15.02.2019

“Necessária revisão na relação com Israel” – Ney Carvalho (O Globo)

A vinda de Benjamin Netanyahu à posse de Jair Bolsonaro e sua posterior condecoração com a Ordem do Cruzeiro...

Leia mais

15.02.2019

Conheça as startups mais valiosas de Israel

Israel ganhou fama de ser um oásis da tecnologia e passou a ter visibilidade graças ao empreendedorismo de sucesso...

Leia mais

15.02.2019

Quem é Davi Alcolumbre, o 1º judeu presidente do Senado?

O Senado elegeu neste sábado (2), o parlamentar Davi Alcolumbre (DEM-AP) como presidente. Ele obteve 42 dos 77 votos,...

Leia mais

08.02.2019