Notícias

Monumento em memória das vítimas da Olimpiada de Munique é inaugurado no Rio de Janeiro

04.08.2016

O presidente do Comitê Olímpico Internacional-COI, Thomas Bach, participou, nesta quarta-feira(03.08), da inauguração de um monumento em homenagem às vítimas israelenses de um atentado terrorista cometido durante a Olimpíada de Munique, em 1972. Em 5 de setembro, onze integrantes da equipe olímpica de Israel foram mortos pelo grupo terrorista palestino denominado Setembro Negro. Até hoje esta é considerada a maior tragédia da história dos Jogos Olímpicos.

Durante a cerimônia realizada na Vila Olímpica do Rio de Janeiro, foi respeitado um minuto de silêncio. Em seu discurso, Bach exaltou a importância dos Jogos Olímpicos como um momento de paz e reflexão para lembrar daqueles que passaram pelos jogos e dedicaram amor ao esporte.  “A Olimpíada é um momento para celebrar a alegria de vida, celebrar o poder do esporte e união da humanidade e a solidariedade. Hoje é um dia para ser lembrado no futuro. Para dedicar um lugar especial àqueles que não estão mais conosco”, afirmou o presidente do COI inaugurando o Local de Luto, formado por duas pedras da antiga Olímpia envolvidas em vidro em uma parte arborizada da vila dos atletas.

A cerimônia contou com a presença de autoridades, delegações e representantes da comunidade judaica como o Rabino Nilton Bonder. As viúvas de dois dos 11 israelenses assassinados também estiveram presentes. Ankie Spitzer e Ilana Romano, esposas de Andre, treinador de esgrima e Joseph levantador de peso lutaram anos para que o COI realizasse uma cerimônia oficial. “Isto é um encerramento para nós. É incrivelmente importante. Nós aguardamos 44 anos para ter essa lembrança e reconhecimento para nossos entes queridos que foram brutalmente assassinados em Munique”, disse Ankie a repórteres no recém-estabelecido local de luto.

O Massacre de Munique foi uma operação organizada pelo grupo palestino Setembro Negro em 1972. Oito terroristas invadiram armados, no dia 5 de setembro, a Vila Olímpica de Munique e renderam nove membros da delegação de Israel. A principal exigência feita pelos terroristas foi a libertação de 200 prisioneiros palestinos de prisões israelenses. A polícia alemã ainda tentou surpreendê-los, mas as ações não obtiveram sucesso culminando na morte dos reféns.

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019