Notícias

Michel Gherman: “Conhecimento ajuda a afastar o antissemitismo”

21.09.2018

O professor universitário Michel Gherman esteve em Porto Alegre nesta semana e falou sobre a importância do seu trabalho para propagar conhecimentos e diminuir o preconceito contra a sociedade judaica. “Eu pesquiso assuntos relacionados ao judaísmo e Israel. Um dos temas que mais me incomodam, neste contexto, é o aumento do apoio do movimento BDS nas universidades e em alguns setores da esquerda brasileira. O que percebemos é que o movimento BDS se aproxima destes dois grupos por ignorância, pois estas pessoas não possuem um conhecimento aprofundado sobre Israel e sobre o conflito histórico daquela região”, explica o professor.

Gherman acredita que a propagação da informação correta é uma poderosa forma de ultrapassar a barreira do preconceito. Além disso, lembra que o movimento BDS se apresenta como comunidade envolvida com a causa palestina. Entretanto, busca um boicote ao estado de Israel. “O movimento se aproxima de aparente ideia de vincular essas pessoas que lutam pela causa palestina, mas quer causar boicote a Israel, tanto cultural como social. Isso gera um boicote a uma sociedade israelense como um todo. Querem que a comunidade judaica seja vista como sociedade bastarda e isolada de outras nações, o que é um absurdo e perigoso”, defende.

Perguntado se existe antissemitismo na esquerda, o professor e historiador ressalta que este comportamento não é exclusivo da esquerda ou da direita. “O antissemitismo foi cruelmente dividido entre todos os campos da politica. Tem na esquerda, na direita e tem no centro, infelizmente. Na direita, o antissemitismo é mais religioso, enquanto na esquerda é mais político Atualmente, o esforço é combater o antissemitismo na esquerda, pois é lá que o movimento BDS está mais potente. Saliento que a esquerda não é antissemita, assim como a direita não é, mas existem grupos antissemitas nos dois lados”, destaca.

A polarização política, ainda segundo Michel Gherman, é um dos principais problemas da comunidade judaica atualmente. “Começamos a reproduzir dentro da comunidade o que a sociedade brasileira está produzindo, que é separação pela ideologia política. Precisamos nadar contra esta corrente e mostrar que o importante é combater antissemitismo”, finaliza.

Michel Gherman formou-se em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é mestre em Antropologia e Sociologia pela Hebrew University of Jerusalem (Israel) e doutor pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ. Atualmente é bolsista do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em História Social da UFRJ, e coordenador do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Judaicos e Árabes (NIEJ) na mesma instituição.

Leia Mais

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019

Escritório da Agência Judaica passará a funcionar no prédio da FIRS em 2019

Na última semana, o presidente da FIRS, Sebastian Watenberg e o Diretor Executivo, Eduardo Gross, reuniram-se com o Representante...

Leia mais

22.03.2019

Nota Oficial: Invasões nos cemitérios judaicos de Porto Alegre

A Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS), como forma de prestar esclarecimentos à Comunidade, se manifesta sobre...

Leia mais

11.03.2019