Notícias

Lançada coletânea de crônicas de Moacyr Scliar que tem como tema central o judaísmo

10.03.2017

No último parágrafo de uma crônica datada de 1984, Moacyr Scliar fala em esperança e constata, com certo alívio, que ainda não houve uma guerra definitiva no Oriente Médio. É um texto otimista no qual o autor cita uma conversa entre jovens judeus e palestinos sobre o direito de viver ou morrer. Morto em 2011, talvez Scliar não fosse tão otimista nos dias de hoje. A escritora e pesquisadora Regina Zilberman acredita que o amigo talvez se espantasse com o que ela classifica como crescimento do antissemitismo e do racismo. Por isso, ela acredita que A nossa frágil condição humana — Crônicas judaicas é um livro muito oportuno.

Regina reuniu 68 crônicas sobre judaísmo publicadas por Scliar entre 1978 e 2010. Os textos eram publicados em colunas de jornais mantidas pelo escritor, que também escrevia para o Correio Braziliense. A pesquisadora teve a ideia enquanto organizava dois outros livros de crônicas do autor gaúcho. “Verifiquei que ele tinha uma quantidade enorme só de assuntos judaicos, fosse a política, fossem questões de cultura, lembranças de sua vida e das de imigrantes. E fui separando esse material. Dava umas 90 crônicas”, conta.

Filho de imigrantes judeus que chegaram ao Brasil na primeira metade do século 20, Moacyr Scliar nasceu em Porto Alegre e por lá se formou em medicina, mas a escrita era um material de trabalho tão importante quanto cuidar das mazelas humanas. Se a ficção povoava os romances, os temas do cotidiano se apresentavam como fontes ricas para as crônicas. Moacyr Scliar era um grande cronista e esta pequena coletânea ajuda a acompanhar a evolução do pensamento do autor sobre um tema com o qual tinha especial familiaridade.

 

A questão dos imigrantes e o problema do antissemitismo na Europa estão entre as principais preocupações nos textos dos anos 1970 e 1980. “Depois, quando vai se agudizando o problema e a crise no Oriente Médio, ele vai se focando mais, procurando explicar as razões de Israel, mas principalmente entendendo os palestinos”, diz Regina. “Acho esse o grande mérito do Scliar. Sendo judeu, ele tenta entender e explicar o outro lado. Ele é uma brisa de sensatez num assunto muito polêmico.”

A sensatez e o equilíbrio do autor na maneira como explicita os temas ajudam o leitor a refletir sobre todos os aspectos do conflito entre palestinos e judeus. A mensagem de tolerância e de discordância com a política israelense são claras e Scliar nunca se permite escorregar em posturas radicais ou paranoicas. “Ele nunca entrou nessa parada. É muito importante essa lucidez dele. A gente sente falta disso”, aponta Regina. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e autora de livros como Teoria da literatura e A formação da leitura no Brasil, Regina acredita que Scliar concordaria com sua visão do conflito nos dias de hoje.

 

“Acho que Israel não está tomando a melhor medida, o melhor caminho, porque não é ocupando aqueles territórios, entrando em conflito direto e achando que os Estados Unidos vão ajudar que a coisa se resolve. Os judeus já passaram, ao longo da história, por vários desses momentos e sempre perderam. Na longa duração, a derrota é certa. Então, é melhor uma posição de mais cordialidade”, diz.

Mesmo datadas de três décadas, as crônicas também carregam uma certa contemporaneidade. A visão de Scliar, talvez pela sensatez, é válida para a atualidade, especialmente quando propõe um olhar que contemple todos os lados dos envolvidos. Regina lembra que o acirramento do racismo atinge hoje também os muçulmanos e que, com a distância temporal da Segunda Guerra, o antissemitismo acabou banalizado.

 

“Logo depois da guerra, acho que havia mais cautela, nos anos 1960 e 1970. A lembrança do nazismo era muito forte. E também a retomada, a denúncia do holocausto, os memoriais que foram aparecendo. Mas, hoje, parece que essa questão está superada. Então, havendo uma oportunidade, isso volta”, lamenta. “E volta no seguinte sentido: nem todos que moram em Israel são judeus, nem todos os judeus são israelitas. É difícil as pessoas entenderem isso. Assim como os muçulmanos. Tem muito preconceito em relação aos muçulmanos. Acho que é até pior.”

Cia das Letras/Divulgação

A nossa frágil condição humana — Crônicas judaicas
De Moacyr Scliar.

Organização: Regina Zilberman.

Companhia das Letras, 216 páginas.

R$ 49,90.

 

Fonte: Correio Braziliense

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019