Notícias

Exposição no Museu da UFRGS retrata realidade em campo de concentração pelo olhar de crianças

13.01.2016

Após passar por diversos países da Europa, Israel, São Paulo e Brasília, a exposição As Meninas do Quarto 28 está em Porto Alegre, no Museu da UFRGS. A mostra retrata o dia a dia de meninas judias que foram confinadas no gueto de Theresiendstadt, na então Tchecoslováquia, durante a invasão alemã sofrida pelo país na Segunda Guerra Mundial.

A exposição reúne desenhos das crianças e uma réplica de seu alojamento. O gueto de Theresiendstadt, antiga fortaleza a 60km de Praga, serviu de prisão para artistas, cientistas, músicos, intelectuais e outros judeus. O grupo de meninas judias relembrado pela exposição viveu nesse gueto, no alojamento L410, quarto 28. Os artistas utilizaram seus conhecimentos para proporcionar às meninas atividades de pintura, desenho e música e aulas de matemática, história e geografia. Assim, trouxeram às crianças prisioneiras momentos de esperança e alívio, tentando evitar que suas vidas fossem devastadas pela guerra. As produções servem como registro dessa história e dos primórdios da arteterapia. Reunidas pela jornalista e escritora Hannelore Brenner, deram origem ao livro e à exposição itinerante As Meninas do Quarto 28.

Com comitê curatorial composto por Dodi Chansky, Karen Zolko e Roberta Sundfeld, As Meninas do Quarto 28 foi chancelada pela ONU e escolhida pela União Europeia, em 2013, para a homenagem no Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto.

Confira a matéria do Jornal do Almoço sobre a exposição.

A exposição poderá ser visitada até 31 de março de 2016, no Museu da UFRGS (Av. Osvaldo Aranha, 277, Campus Centro). A entrada é franca.

A história

A invasão alemã à Tchecoslováquia, em 1939, lançou uma verdadeira perseguição aos judeus no país. Muitos foram enviados para guetos e campos de concentração.

Em Theresienstadt, antiga fortaleza a 60 km de Praga, instalou-se um gueto para artistas, cientistas, músicos, intelectuais e outros judeus. Cerca de 60 meninas, de 12 a 14 anos, passaram pelo quarto 28 do gueto. Apesar da situação miserável, do racionamento de comida e do onipresente medo de ir para o “leste” (Auschwitz-Birkenau), as meninas puderam ter contato com os professores, compositores e artistas que também eram prisioneiros em Theresiendstadt. Os presos decidiram usar seus conhecimentos para minimizar o sofrimento das crianças com atividades artísticas.

Entre estes adultos, encontrava-se a artista plástica Friedl Dicker Brandeis. Friedl percebeu que a arte poderia ser uma importante ferramenta terapêutica para ajudar as crianças a superar as adversidades e lidarem com os terríveis sentimentos de perda, medo e incerteza. Assim, começou a dar aulas técnicas de desenho e pintura para a ala infantil do campo de concentração. A artista contava histórias e pedia que as crianças fizessem ilustrações. As narrativas serviam como distração da triste realidade de Theresiendstadt.

Considerada hoje uma das precursoras da arteterapia, Friedl ficou em Theresiendstad por quase 2 anos e conseguiu esconder os quase cinco mil desenhos de seus alunos em suas malas antes de ser levada para Auschwitz, em 1944. Esses desenhos foram encontrados 10 anos depois da guerra e levados para um museu em Praga, na República Tcheca.

Das meninas que passaram pelo Quarto 28, foram encontrados cerca de 500 desenhos. Nas mãos da jornalista e escritora Hannelore Brenner, eles deram origem ao livro e à exposição As Meninas do Quarto 28. As produções servem como vestígios dessa história e dos prelúdios da arteterapia. Das 15 mil crianças do campo de concentração, apenas 93 sobreviveram. Entre estas, 15 são sobreviventes do Quarto 28.

 

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019