Blogs

Nurit Masijah Gil

Sou paulista e moro em Porto Alegre há tempo suficiente para não lembrar da vida antes do ‘bah’. Publicitária, pós graduada em marketing, mãe de duas crianças incríveis (desculpem, foi irresistível), empresária e com desejos literários, meu objetivo nesta coluna é sensibilizar nossa sociedade com informação para desconstruir esterótipos e diminuir preconceitos. Parece utopia, mas prefiro acreditar não passa de um bom desafio.

Eu não te pertenço

02.03.2016

No dia do nosso casamento eu disse que pertencia a você, assim como você, pertencia a mim. Em casamentos judaicos, essa é a prédica no momento da troca de alianças e, naquele instante, eu olhei nos seus olhos. Ali, eu te escolhi.

Seria perfeito, se não houvesse um porém: você não pertence a mim e, da mesma forma, eu não pertenço a você. Eu te escolhi.

Quando o vi pela a primeira vez, meu coração afundou, minha perna tremeu e eu te escolhi. Naquela noite em que não ouvimos os fogos de artifício, quando chorei incontáveis semanas por sua ausência, quando estava com outra pessoa, mas pensando em você, eu te escolhi. E quando sem querer perder mais tempo, liguei te convidando para sair, você lembra, né? Eu te escolhi.

Eu não tinha vinte anos, assistia Dawson’s Creek, tinha pijama com cara de urso e uma insegurança do tamanho do mundo. E você me abraçou. Por isso, eu te escolhi. Você rodou o mundo, dormiu no chão na Índia e mochilou até o Himalaia. Eu queria ter sido hippie, mas nunca fui. Por admiração, te escolhi.

Com você mudei de estado, me arrependi e chorei trezentos e sessenta e cinco dias seguidos. Você me compreendeu em todos eles e de novo, eu te escolhi.

Sei que prefere ficar em casa, ficção científica, Frank Herbert e Bucowski. Eu prefiro sair, drama, Antônio Prata e Luis Fernando Veríssimo. O que seria do amarelo se todos gostassem de vermelho? Te escolhi.

Mas não foram poucos os momentos em que eu senti vontade de jogar a cadeira pesada da sala em sua direção. A sua bagunça, sua mania irritante de diante dos meus erros repetir “eu te disse” e especialmente, nas mudanças que vieram quando decidimos aumentar a família.

Com a chegada dos filhos, nosso casamento sofreu um baque que era difícil prever. Você simplesmente não cuidava da rotina com um bebê da mesma forma supostamente perfeita como eu conseguia, raramente entendia meu cansaço, meu mau-humor ou como minha cabeça também estava cheia de novos dilemas. Com um sono enlouquecedor, eu queria apenas abraçar nossa pequena e dormir de rosto colado com ela por oitenta e cinco horas seguidas – ou quarenta e cinco minutos que fossem – ao invés de resgatar a cinta liga e os motivos pelos quais eu costumava te mandar quinze SMS dizendo apenas “te amo”.

Até um dia, em que numa daquelas gargalhadas deliciosas que nossa filha dava, o canto da boca dela curvou como o seu. E seus olhos brilharam como os meus. Como parceiros nessa nova aventura, apenas nossos olhos poderiam brilhar da mesma forma. E foi quando lembrei: eu te escolhi. E todos os motivos continuavam lá, no meio daquela loucura deliciosa que tomou conta das nossas vidas. Romantismo até que a morte separe é utopia das mais ordinárias, ninguém é feliz e saltitante todo santo dia.

Por você ser a pessoa mais inteligente que eu já conheci. Por não precisarmos fingir: eu durmo de meias, durmo no meio dos seus filmes preferidos e durmo durante as conversas noturnas. Porque com você, o silêncio não é inoportuno. Porque temos liberdade de falar sobre qualquer assunto. Porque já passamos juntos por momentos espetaculares. Porque já passamos juntos por momentos terríveis. Porque você compra as minhas brigas. Porque seus olhos mudam de acordo com seu humor. E porque, mesmo a cor dos meus não mudando, você sabe reconhecer os dias em que eu não quero falar. Porque você prefere meu cabelo do jeito que ele é, meu corpo do jeito que ele é e eu, do jeito que eu sou. Porque você realizou duas vezes meu sonho de maternidade e porque nós sobrevivemos juntos ao que veio depois dela. Porque você tem respostas incríveis para os nossos filhos. Porque você inventa as melhores brincadeiras. Porque quando nos beijamos e eles posicionam-se entre nós, enciumados, você vê tanta graça quanto eu. Porque você coloca nossa família antes de tudo na sua vida. Porque seu programa perfeito é estar em casa com nós três. E porque quando passeamos, você ainda me dá a mão.

Eu te escolhi.

É ao seu lado que vivo as maiores e melhores loucuras da minha história. Eu não te pertenço, mas te escolho todos os dias da minha vida.

(Texto publicado originalmente no site da Revista Crescer)

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Nurit Masijah Gil

Vivendo em Israel: Ulpan e inspiração

30.01.2018

Primeira história: Ela tinha as portas dos armários forradas de poesia porque queria saber declamar de cor – talvez...

Jerusalém, capital de Israel

08.12.2017

No dia em que EUA reconheceu oficialmente Jerusalém como capital de Israel… O despertador tocou cedo. Lá fora, o...

Perfumando a memória

24.10.2017

Sou brasileira apesar deste país tropical ter estampado a capa do passaporte de poucas gerações da família. Como qualquer...

Viver Israel

12.09.2017

A escolha deste país pode parecer fazer todo o sentido. Claro que faz. Mas ela habita muito além do...

Taly e Beny

19.04.2017

Taly e Beny, Choveu hoje cedo e acordei durante a madrugada pensando se os levaria para a escola. Se...