Notícias

Condenação de neonazistas deve inibir ações racistas e antissemitas no Brasil, diz advogada Helena Sant’Anna à CONIB

28.09.2018

Em entrevista exclusiva à Conib, a advogada Helena Druck Sant´Anna, que conduziu o processo que levou à condenação de um grupo de neonazistas no Rio Grande do Sul – na primeira ação desse tipo por um Tribunal do Júri no Brasil -, disse que espera que “essa condenação atenda o caráter preventivo da legislação penal, coibindo eventuais pretensões criminosas de grupos racistas e semelhantes, como esse que foi a julgamento”. “De outro lado, somente com instituições públicas sérias que se ajustem ao Estado Democrático de Direito, será possível inibir esse tipo de criminalidade. Refiro-me, por evidente, à autoridade policial, ao Ministério Público e ao Poder Judiciário”. Com relação à queixa da comunidade judaica sobre a demora (13 anos), entre a prisão dos envolvidos até o julgamento, ela afirmou: “A demora do processo, no caso específico, deve-se também ao número de réus e multiplicidade de advogados, o que torna complexa a causa criminal, com muitos recursos. De qualquer modo, não há justificativa para que um processo criminal permaneça tanto tempo paralisado no Tribunal de Justiça do Estado, em que o recurso em sentido estrito interposto pelos acusados, demorou cinco anos para ser julgado. O julgamento em questão só não demorou mais tempo, graças à intervenção do Ministério Público e da Assistência à Acusação que foram diligentes a fim de possibilitar o julgamento”. Abaixo, outros trechos da entrevista:

– É possível que a livre comercialização do livro “Minha Luta”, escrito por Hitler, tenha tido influência nesse caso?

Sim. Toda e qualquer propaganda que diga respeito ao nazismo, que incite a discriminação, deve ser banida da cultura do povo.

– Acredita que este caso poderá levar a uma revisão sobre a liberação de comercialização do livro “Minha Luta”, já que a proibição dessa publicação se restringe apenas ao Rio de Janeiro?

É possível que sim, pois reabre o debate sobre intolerância e o racismo no país, não só contra judeus, mas também qualquer minoria. Mas penso que a maior dificuldade está em sensibilizar as pessoas para os efeitos nefastos que dita obra pode causar. A proibição de comercialização de “Minha Luta” apenas no Estado do Rio de Janeiro, infelizmente tem eficácia mitigada, posto que a obra pode ser adquirida e disseminada em outros Estados da Federação. Mas, sem dúvida, já foi uma notável conquista.

– Na Alemanha, onde atos desse tipo têm ocorrido com maior frequência, já foram adotadas algumas medidas, como a indicação de um alto funcionário do governo – cargo equivalente ao de ministro – para tratar especificamente desses casos. Essa medida poderia ser adotada também no Brasil, caso aumente o número de ataques desse tipo?

Guardadas as diferenças entre o sistema jurídico alemão e o brasileiro, penso que todo e qualquer crime merece atenção por parte das autoridades. No Brasil, como já referi na resposta anterior, basta que haja mais agilidade e eficiência por parte do Poder Judiciário, para que fatos discriminatórios como este que foi a julgamento, obtenham uma resposta mais célere por parte do Estado.

 

Fonte: Conib

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019