Notícias

A cada 83 segundos, um post antissemita é publicado nas redes sociais, revela pesquisa

30.03.2017

De acordo com um estudo do Congresso Judaico Mundial [CJM], posts com conteúdo antissemita são publicados nas redes sociais 43 vezes por hora – ou a cada 83 segundos.

Em um projeto conjunto com a empresa de monitoramento israelense Vigo Social Intelligence, o CJM analisou milhões de posts publicados em 2016, em 20 idiomas, no Facebook, Twitter, YouTube, Instagram, blogs e outros fóruns, procurando textos, memes e imagens antissemitas.

Mais de 382 mil dos posts analisados foram considerados antissemitas. Os posts críticos a Israel ou suas políticas não foram incluídos no estudo.

O estudo descobriu que cerca de 63%, de todo o conteúdo antissemita está no Twitter. Blogs foram responsáveis por 16%, Facebook 11%, Instagram 6%, YouTube 2% e 2% nos outros fóruns.

“Os números revelados neste relatório nos dão dados concretos sobre o quão alarmante a situação é”, disse o CEO do World Jewish Congress e vice-presidente executivo Robert Singer.

Na pesquisa, o CJM utilizou a definição de antissemitismo da International Holocaust Remembrance Alliance (IHRA), que afirma que “o antissemitismo é uma certa forma de percepção dos judeus, que pode ser expressa como ódio. As manifestações retóricas e físicas do antissemitismo são direcionadas para indivíduos judeus ou não judeus e/ou suas propriedades, instituições da comunidade judaica ou instalações religiosas”.

O CJM disse que o estudo identificou as mensagens “por meio de um banco de dados de frases e termos on-line, em seguida, traduzidos para as principais línguas e buscados da internet”, após o que “uma amostra representativa foi lida e codificada pelos analistas para refinar as pesquisas e aprofundar a análise qualitativa”.

Um total de 7.600 posts foram lidos em diferentes idiomas, indicando uma amostra representativa de 2% dos discursos incluídos na análise.

Facebook, Twitter, YouTube e Microsoft assinaram em junho um código de conduta com a Comissão Europeia que exige que eles apaguem a maioria das publicações de ódio em 24 horas. Entretanto, grupos de monitoramento relataram falhas nas reações, sobretudo do Twitter.

Em 2013, o Twitter perdeu uma batalha legal prolongada na França sobre sua recusa inicial para divulgar detalhes de usuários que fizeram declarações antissemitas on-line ou bloqueá-los para por continuarem a fazer isso.

 

Fonte: CONIB

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019