Blogs

Marcos Weiss Bliacheris

#meuamigosecreto

27.11.2015

Essa semana, mulheres (e alguns homens também) falaram de discriminação e machismo com a hashtag ‪#‎meuamigosecreto‬.
‪#‎meuamigosecreto‬ acusa os outros de votar duas vezes no Knesset enquanto seu pai foi cassado por votar duas vezes e, ainda, violar o sistema para apagar as provas.
Como já dissemos, este blog trata de temas ligados à deficiência e inclusão vistos sob uma perspectiva judaica e acompanhando o que judeus pelo mundo e em Israel estão fazendo. Estamos começando a nos conhecer.
Hoje escrevo no calor dos acontecimentos sucedidos no Knesset (Parlamento israelense) e apresento-lhes duas figuras da política israelense que cruzaram seus caminhos esta semana, inclusive o meu ‪#‎meuamigosecreto.
Uma é a parlamentar Karin Elharar, advogada de 38 anos, especializada em direitos de sobreviventes do Holocausto, pessoas com deficiência e aposentados. Eleita para seu segundo mandato pelo partido Yesh Atid, do popular astro de TV Yair Lapid, a parlamentar sofre de distrofia muscular e se locomove de cadeiras de rodas.
A trajetória de Oren Hazan é bastante distinta. Eleito como representante da juventude do Likud e integrante da coalizão governamental, logo galgou importantes postos no Knesset, integrando comissões de prestígio, como de relações exteriores e segurança.
Isso apesar de ser eleito em uma campanha em que seu vídeo era baseado em “O Poderoso Chefão” e ele se apresentava como Don Corleone.
A sua credibilidade, que já não era muita, virou fumaça quando veio à tona seu passado como gerente de um cassino na Bulgária, onde teria usado drogas e também as vendido para turistas israelenses, além de fornecer prostitutas como parte de seus bons serviços. Tudo isso em horário nobre e ilustrado por vídeos e entrevistas com personagens da saga.
Lembrando outra campanha na Internet, a hashtag ‪#‎meuprimeiroassedio, o parlamentar também é acusado de abuso sexual por empregadas de um bar em Tel Aviv. Não por acaso, instituições de defesa dos direitos da mulher e que lutam contra o tráfico humano foram as primeiras a gritar contra a permanência de Oren no Parlamento.
Esse escândalo lhe valeu o cargo de vice-presidente do Knesset, mas o parlamentar se garantiu no Plenário. Até mesmo porque, para ser cassado, dependeria de uma condenação criminal e considerando que os atos criminosos foram praticados no exterior, esta não seria uma investigação fácil.
Daí que entram os personagens acima e um terceiro, o parlamentar árabe Issawi Frej, do partido Meretz.
Em uma votação polêmica, Issawi Frej auxiliou Karin Elharar a votar, como já era costume. A falta de força nos dedos a obriga a pedir ajuda, o que já foi motivo de piada de Oren. Ao ver isso novamente, Hazan saiu berrando que Issawi estava votando duas vezes… desconsiderando completamente a situação peculiar que era de conhecimento geral.
Oren primeiro partiu para o ataque direto. E depois partiu para o ataque à Issawi. O passo seguinte foi o famoso ‪#‎mimimi, tentar desqualificar os críticos e as críticas.
Mas, se de outras vezes, ele conseguiu absorver os golpes, desta vez a repulsa foi geral. E não só de líderes dos partidos da oposição, mas de seus companheiros de Likud e do líder do partido e primeiro-ministro Bibi Netanyahu. Este, sinalizou que o comportamento do parlamentar era inadmissível.
‪#‎meuamigosecreto não respeita mulher com deficiência dizendo que seu irmão tem deficiência e que respeita as pessoas com deficiência.
Tipo assim, aquele antissemita que diz que tem amigos judeus, né? Argumentos super válidos #sqn
Ele tentou mais uma vez remendar, pedindo o famoso “desculpa se ofendi alguém, não era minha intenção”…o que levou um jornal a comentar que ele disse ‪#sorrybutnotsorry.
Está mais que na hora de usar aquela velha hashtag: #‎foraorenhazan.
Eu ia encerrar o post, mas ontem, nosso “querido” Oren ganhou a companhia de Donald Trump. Outro famoso por sua gafes e comentários preconceituosos. O pré-candidato republicano que já enfureceu mulheres, ambientalistas, gays, negros e latinos com seus comentários preconceituosos, ontem imitou (sim, imitou) um repórter com deficiência durante uma entrevista.
Definitivamente preconceito e desrespeito a pessoas com deficiência andam juntos. #ficaadica.
Assim, encerramos com duas hashtags: #foraorenhazan e #foratrump.

Uma foto leve porque esse é um blog de família

Uma foto leve porque esse é um blog de família

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Marcos Weiss Bliacheris

Inclusão se aprende em comunidade

06.08.2018

A inclusão se aprende na prática, vivendo. Ninguém aprende a incluir somente nos livros. Existe a teoria, mas nada...

O LADO JUDAICO DO SUPER BOWL LII

03.02.2018

Neste domingo, 04 de fevereiro, será jogada a 52ª. edição do Super Bowl que coloca em campo o New...

Extraordinário

27.12.2017

Está em cartaz nos cinemas o filme “Extraordinário”, baseado no livro homônimo. Estrelado por Owen Willians e Julia Roberts,...

Chalá redonda

20.09.2017

Rosh Hashaná é uma festa cheia de símbolos mas um que me fascina é a chalá agulá. Esta foi...

Ano Novo das Árvores

10.02.2017

No próximo dia 11 de fevereiro , no dia 15 do mês de Shvat do calendário hebraico, comemoramos o...