Notícias

Aloysio Nunes – Ministro das Relações Exteriores: “O dever de rememorar o Holocausto”

26.01.2018

Celebraremos neste sábado (27) o dia internacional em memória das vítimas do Holocausto, que marca o aniversário da liberação do campo de concentração de Auschwitz. A rememoração desse passado trágico constitui, mais do que uma homenagem às vítimas, um dever moral e uma responsabilidade de todos e de cada um de nós.

O genocídio de seis milhões de judeus e de milhões de ciganos, homossexuais, prisioneiros de guerra e pessoas com deficiência, com uso dos meios só disponíveis na moderna sociedade industrial, foi um dos momentos mais tristes da história da humanidade. Ao rememorar as vítimas, o primeiro sentimento é o de repulsa pelo horror produzido pela ideologia antissemita. Mas o ato de rememorar evoca também compaixão e esperança.

Compaixão pelas vítimas, cuja perda privou o mundo de tantos talentos. Compaixão pelos pais, mães, filhos e amigos que perderam entes queridos, alvos da covardia criminosa do nazismo. E esperança de que o exemplo das vítimas e sobreviventes continue animando novas gerações a lutar contra todas as formas de discriminação; a esperança de que a história dos que enfrentaram o pior dos tormentos e seguiram acreditando na vida não nos deixe esmorecer ante desumanidades de nosso próprio tempo.

É impressionante a força das vítimas do Holocausto, que, mesmo nos momentos de maior desespero, deixaram exemplos de solidariedade e superação. Não menos impressionante foi o apego à esperança dos sobreviventes, alguns do quais adotaram o Brasil como seu novo lar, dando contribuição inestimável à formação do nosso povo e ao desenvolvimento do país.

Como chefe da diplomacia brasileira, não poderia deixar de lembrar os dois “justos entre as nações” brasileiros, ambos do Itamaraty, Luiz Martins de Souza Dantas (1876-1954) e Aracy de Carvalho Guimarães Rosa (1908-2011), que descumpriram instruções superiores para salvar judeus das garras do nazismo.

Houve outros como eles, que, ante o colapso moral à sua volta, colocaram o dever para com a humanidade acima de considerações burocráticas e de conveniências, assumindo riscos para poupar vidas.

O drama do Holocausto levou à adoção, na Organização das Nações Unidas, da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948. Os crimes do nazismo impuseram a clara necessidade de elevar o indivíduo à condição de sujeito de direitos na cena internacional. Infelizmente, esse esforço, embora necessário e louvável, ainda não foi suficiente para superar as violações sistemáticas de direitos humanos em diversos quadrantes do mundo.

Atos hediondos voltaram a acontecer desde o fim da Segunda Guerra Mundial. E o antissemitismo continua presente hoje em formas recicladas, porém não menos odiosas, inclusive, em alguns casos, encoberto pelo antissionismo.

Também por essa razão, é fundamental rememorar o Holocausto para que essa encarnação do mal absoluto jamais volte a ocorrer e para que outras atrocidades sejam prevenidas com as armas da tolerância, do diálogo e da justiça.

A memória do Holocausto nos impele a agir e a seguir lutando sem trégua por um mundo mais justo e solidário, em que os seres humanos estejam livres de abusos e arbitrariedades e sejam respeitados sem distinção de qualquer natureza —origem social, cor da pele, etnia, crenças religiosas e posições políticas.

Ao fortalecer a memória coletiva de rechaço ao horror indizível do Holocausto, homenageamos as vítimas e recordamos a necessidade de combater, aqui e agora, as ideologias nefastas que desumanizam o outro. O ato de rememorar é, pois, um imperativo político e moral que nos vacina contra a condescendência diante da exclusão e da injustiça, reavivando a chama da esperança em nossa humanidade comum.

 

Por Aloysio Nunes – senador licenciado (PSDB-SP), é ministro das Relações Exteriores -, Folha de S.Paulo)

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019