Notícias

Aliáh: número de não judeus supera o de judeus em 2018, entenda por quê.

18.01.2019

Por Marcus M. Gilban

Pela primeira vez desde a independência em 1948, Israel anunciou que o número de olim chadashim (novos imigrantes) judeus foi superado em 2018 por aqueles que, para o Rabinato Chefe, não são considerados judeus.

Como assim? Goy (não-judeu) pode fazer aliá? A primeira coisa que você pensa é que cristãos ou muçulmanos vêm desembarcando no Estado Judeu em números significativos. Não. O buraco é mais embaixo. Segundo números divulgados pelo Escritório Central de Estatísticas de Israel, 17.700 dos 32.600 que fizeram aliá em 2018 sob a Lei do Retorno foram listados como “sem religião”.

Ateus? Agnósticos? Também não. Tais imigrantes, vindos em grande parte da antiga União Soviética, têm ascendência judaica (pais ou avós), condição para a aliá. Alguns de fato não são judeus e trouxeram consigo toda uma bagagem cristã, incluindo celebrações, comidas e tradições. Mas muitos se consideram judeus, mesmo sendo filhos apenas de pai judeu. E aí reside o maior dos problemas.

O Rabinato Chefe, ortodoxo, usa os padrões da Halachá (lei judaica): ter mãe judia ou ter sido convertido ao judaísmo sob autoridades ortodoxas autorizadas. Desta forma, tais israelenses são inelegíveis para se casar como judeus sob o sistema judiciário rabínico controlado pelo Estado.

O problema é antigo, surgiu quando da fundação do Estado. Para ganhar o apoio da comunidade ortodoxa que residia no país, Ben Gurion concedeu-lhes o monopólio das questões religiosas, o que, além de casamentos, inclui conversões, enterros, kashrut e gestão de lugares sagrados como o Kotel.

O resultado hoje é um debate acalorado sobre a identidade judaica. Ao todo, já existem cerca de 400 mil pessoas nesta situação. Durante o nazismo na Europa, seriam enviadas para a morte. Em Israel, são alijadas pelo Rabinato Chefe. A maioria vem da antiga União Soviética, mas também de vários países, como o Brasil. Se um judeu fez aliá com sua esposa não-judia e filhos, apenas o pai foi registrado como judeu, ou seja, a esposa e os filhos, para o Rabinato Chefe, são “sem religião”.

“Estes imigrantes fazem parte de um vazio burocrático, incapazes de casar em casamentos sancionados pelo Estado, e participar de outros direitos básicos de cidadania judaica”, segundo o Itim, um grupo de apoio a israelenses nesta situação jurídica. O Itim considera a situação “inaceitável, particularmente devido ao sistema disfuncional e inadequado de conversão do Estado, que converte cerca de 2 mil cidadãos israelenses ao judaísmo a cada ano”.

Nos últimos anos, a imigração da antiga União Soviética voltou a aumentar. Os russos estão fugindo da estagnação econômica do país. Muitos ucranianos fugiram do conflito militar apoiado pela Rússia convulsionando o leste de seu país. De acordo com o Ministério de Absorção de Imigrantes, mais de 30.000 pessoas emigraram da Ucrânia entre 2014 e outubro de 2018. É como se toda a comunidade judaica do Rio de Janeiro — ou metade da de São Paulo – fizesse aliá num período de apenas quatro anos. Incrível.

Num país onde os argumentos demográficos carregam peso político forte, inclusive para o processo de paz, números precisos são críticos, de acordo com o demógrafo e estatístico Sergio Della Pergolla, da Universidade Hebraica de Jerusalém.

“Considerando que os judeus compõem 75% do total da população israelense, o crescimento dos imigrantes não-judeus foi mais rápido e, portanto, o judaísmo de Israel diminuiu, apesar das declarações triunfantes de certos círculos políticos de que a taxa de fertilidade árabe diminuiu”, explica o professor.

 

Fonte: Notícias da Rua Judaica

Leia Mais

FIRS participa da Mesa Diretora do Pacto Alegre

A FIRS participou, na última terça-feira (26), de reunião do movimento Pacto Alegre, que visa transformar Porto Alegre em...

Leia mais

29.03.2019

Comunidade Judaica convida estudantes para Feira das Universidades Israelenses

Estudantes de Porto Alegre tem atividade confirmada para ampliação do currículo profissional e acadêmico. No dia 10 de abril,...

Leia mais

29.03.2019

Novo júri de três acusados por ataque a judeus em 2005 é realizado em Porto Alegre

Começou na manhã desta quinta-feira (21) o novo júri de mais três acusados de atacar um grupo de judeus no bairro...

Leia mais

22.03.2019

Federação Israelita do Rio Grande do Sul lamenta atentado à Mesquitas na Nova Zelândia

Com profundo pesar, a Federação Israelita do Rio Grande do Sul manifesta suas condolências aos familiares e vítimas do...

Leia mais

22.03.2019

FIRS recebe secretário de Ciência e Tecnologia

Na manhã de sexta-feira, 15 de março, a diretoria da Federação Israelita do Rio Grande do Sul (FIRS) recebeu...

Leia mais

22.03.2019