Notícias

Valter Nagelstein: O Ensino no Holocausto

07.07.2016

Desde sua gênese, no ano de 2010, a Lei nº 10.965, sobre o Ensino do Holocausto, vem promovendo o fomento à conscientização e à produção artístico-intelectual pelos jovens da Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre (RME-POA).

Tamanha a importância da lei, e do que se propõe, que vemos, agora em 2016, que seus benéficos efeitos foram irradiados com sucesso no sistema público municipal de ensino, tanto para os próprios professores, quanto para os alunos. Em relação a esses, o contato inicial com uma temática tão pesada resultou em diversos projetos artísticos envolvendo a produção de poemas, produção audiovisual, etc.

Os jovens, ao lerem o “Diário de Anne Frank” e conhecerem realidades de outros sobreviventes, bem como histórias de vida de judeus que não sobreviveram, identificaram-se quanto às suas realidades, relacionando-as às suas produções os dois lados. Vê-se que a lei possui resultados evidentes nesse tocante.

Os meninos e meninas que produziram diversos e excelentes trabalhos, com base no que a lei incentiva, são, hoje, mais socialmente conscientes e historicamente embasados, futuros adultos com conteúdos positivos e valores.

O Holocausto é mais do que um fato histórico, é um tema que transversaliza todas as disciplinas, uma vez que o caráter humano envolvido é a sua essência.

O papel do ensino do Holocausto, mais do que tudo,é promover uma educação para a tolerância, uma vez que o mesmo significou o máximo que a intolerância pode levar. Sendo assim, a condenação do Holocausto, através de sua terrível lição, é uma contribuição essencial na pedagogia dos Direitos Humanos.

A Lei nº 10.965/2010 passou a fazer parte do Plano Municipal de Direitos Humanos, a partir de 2016, em seu Artigo 9 sendo, desta forma, agregado ao Programa Estadual de Direitos Humanos. De acordo com a Lei:

Garantir a implementação do plano nacional de educação em direitos humanos, cumprindo as diretrizes nacionais de educação que garanta a efetivação de uma educação antirracista, não homolesbo, transfóbica, sexista, não discriminatória que cumpra as normas técnicas nº 24 e 35 (MEC 2015) e a lei Municipal 10.965/10 sobre a obrigatoriedade do ensino do holocausto.

Porém, ainda temos um longo caminho a percorrer, uma vez que, para a plena aplicabilidade da lei, a mesma deveria constar nos Parâmetros Nacionais para Educação em Direitos Humanos. Deste modo sugere-se que esta proposta seja levada ao Sr. Ministro da Educação, com vistas a que o mesmo possa potencializar esta inclusão.

Vereador Valter Nagelstein

Autor da Lei nº 10.965/10

Leia Mais

Comissão da Câmara dos Deputados aprova direito do aluno se ausentar de prova por motivo religioso

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou proposta que regulamenta a aplicação...

Leia mais

07.12.2018

Sobreviventes do Holocausto celebram Chanucá pelo mundo

Em noite especial da tradicional festa das luzes, sobreviventes do genocídio homenageiam os cerca de 6 milhões de judeus...

Leia mais

07.12.2018

Bolsonaro recebe embaixador de Israel na Granja do Torto

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, recebeu integrantes da sua equipe e o embaixador de Israel, Yossi Shelley, na Granja...

Leia mais

30.11.2018

Nelson Sirotsky e Letícia Wierzchowski fazem tarde de autógrafos de seu livro no auditório da FIRS

*por Marili Scliar Buchalter   No entardecer do dia 26 de novembro, no auditório da FIRS, o Departamento Cultural...

Leia mais

30.11.2018

FIRS participa da 49ª Convenção da CONIB

A Conib realizou, entre os dias de 23 a 25 de novembro em São Paulo, sua 49ª Convenção Anual, com...

Leia mais

30.11.2018