Blogs

Rafael Bán Jacobsen

Físico, músico, escritor e judeu (não necessariamente nessa ordem). Mais jovem membro da Academia Rio-Grandense de Letras (imortal, porém morrível, portanto). Autor dos livros "Solenar" e "Uma leve simetria", também edito a revista de estudos judaicos WebMosaica. Neste espaço, escreverei sobre as três coisas que mais me fascinam: arte, filosofia e judaísmo.

Lembrar o Holocausto, burilar a humanidade

27.01.2017

Foi notícia há poucos dias: ao escavar uma área do antigo campo de extermínio de Sobibor, na Polônia, por onde prisioneiras passavam a caminho da câmara de gás, pesquisadores encontraram um pingente muito similar ao usado por Anne Frank, a menina que, em seu diário, deu ao mundo um comovente relato da perseguição perpetrada pelos nazistas contra os judeus e virou símbolo da luta pela vida durante o Holocausto. A joia tem gravadas uma data de nascimento (3.7.1929), uma mensagem (mazal tov, “boa sorte”, em hebraico) e uma cidade (Frankfurt, na Alemanha). Os pesquisadores descobriram que o pingente pertenceu a uma menina chamada Karoline Cohn, que nasceu na data inscrita no pingente e foi deportada de Frankfurt em 1941, quando tinha 12 anos.

Ao contrário de Anne, pouco se sabe sobre Karoline; tampouco está claro se elas se conheceram. E talvez isso não seja o mais relevante. Importante é sabermos que, além de serem judias, terem nascido no mesmo local e possuírem berloques parecidos, as duas foram vítimas de um mesmo maquinário de extermínio, movido por elementos até hoje muito presentes: o preconceito e o ódio contra o que é diferente. Ao trazer de volta uma personagem e uma história esquecidas, o achado em Sobibor nos faz perceber que, para cada relato bem conhecido sobre as monstruosidades do Holocausto, há muitos outros ocultos pelas camadas do tempo. O horror é sempre maior do que podemos conceber.

Além de terem usado um mesmo pingente de prata, Anne e Karoline compartilharam um mesmo pingente de dor, desesperança e morte. Compartilharam-no, aliás, com milhões de outras pessoas, que, além de judeus, incluem ciganos, deficientes físicos, homossexuais, testemunhas de Jeová, prisioneiros de guerra.

Para recordar todos estes, célebres ou anônimos, judeus ou não, o dia 27 de janeiro foi instituído pela ONU como Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto. É uma data que conclama à união dos que acreditam em uma sociedade regida pela paz e pela cooperação, avessa à intolerância e à violência que persistem em atos antissemitas, racistas, xenófobos, homofóbicos e segregacionistas de modo geral. Gravar em nosso espírito, como se grava em prata, as joias da compaixão e da humanidade: eis o único caminho para que a “boa sorte” possa brilhar para todos.

 

Publicado no Jornal Zero Hora em 27/01/2017

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Rafael Bán Jacobsen

Notas sobre o judaísmo em Clarice Lispector

25.02.2017

(Texto originalmente publicado na revista de estudos judaicos WebMosaica, v. 8, n. 1, jan-jun 2016) Clarice Lispector (Chechelnyk, 10...

A yiddishkeit de Leopold Bloom

08.02.2016

  Nesta primeira semana de fevereiro, mais precisamente no dia 02, recordamos os 134 anos de nascimento do escritor...

Todos nós, vítimas do Holocausto

27.01.2016

Em um trecho do livro O escritor fantasma, de Philip Roth, o protagonista, um jovem judeu norte-americano, envolve-se em...

Uma lição do Sinédrio

05.01.2016

O Sinédrio (ou Sanhedrin, em hebraico) era a corte suprema da lei judaica, que tinha por missão administrar a...

A arte dos começos

09.12.2015

No judaísmo, muitas coisas não são o que aparentam. Os três andarilhos que Abraão acolheu em sua tenda não...