Blogs

Wremyr Scliar

Professor de Direito Administrativo (PUCRS), Doutor, Mestre e Especialista em direito.Conselheiro substituto emérito aposentado do Tribunal de Contas - RS. Comenda Oswaldo Vergara - OAB RS. Primeiro diretor da Escola de Gestão e Controle do Tribunal de Contas - RS.

Auschwitz e Memória: nada será como antes.

25.01.2018

Em 27 de janeiro de 1945, no seu catre da enfermaria do campo de concentração de Auschwitz, o judeu italiano prisioneiro e doutor em química, Primo Levi, com a primeira luminosidade da madrugada estranhou o silêncio: não ouvia os gritos da SS e dos kapos ordenando  a saída dos prisioneiros para o trabalho escravo.

Estranhou o silêncio.

Na parte externa, restos de documentos queimados ou rasgados.

Prisioneiros desorientados.

Quatro batedores ucranianos do Exército  Vermelho haviam rompidos os cadeados dos portões.

A guerra estava no fim.

Antes de retornar a Turim, Levi colaborou com os soviéticos redigindo o primeiro relatório cientifico sobre a situação da saúde e higiene dos prisioneiros, publicado após sua morte.

O fato nos mostra que mesmo enfraquecido e com traumas perenes, Levi tratou de relatar e registrar os fatos.

Superou a afirmativa nazista: de tamanha violência e horror, ninguém no futuro acreditaria.

A lição  de  Primo Levi é  de que a memória não apenas lembra o passado, mas ensina sobre o futuro.

Esse é o seu papel ético.

Não é  um sentimento de dor ou de emoção. Vai além como um fato histórico, compreendido e assimilado.

Pode se repetir? sim; com a mesma roupagem ou outras diferentes. Os sinais estão ao alcance da vista.

Mas ninguém poderá nega-los.

Quando ao fim da I guerra, um oficial belga arrestou um oficial alemão, esse argumentou: vocês vencedores, agora escreverão a História a seu modo. Resposta do belga: sim, mas não poderemos dizer que a Bélgica iniciou a guerra invadindo a Alemanha.

Como se ensinou na última Jornada do Holocausto em Porto Alegre, pode-se acrescer: o povo judeu foi vítima do Holocausto, mas teve o papel de ator da História. Esse papel é único.

Ele significa: Antes e depois de Auschwitz. Nada será como antes.

1 Comentário a Auschwitz e Memória: nada será como antes.

  1. Maria Avelina Gastal's Gravatar Maria Avelina Gastal
    24 de abril de 2018 at 21:00 | Permalink

    Dr. Wremyr, que saudades de ouvi-lo, conversar e aprender com o senhor. Texto maravilhoso, ao mesmo tempo sereno e impactante. Quanto temos que repetir até aprender? Gostaria de convidá-lo para o lançamento do meu livro de contos. Se o senhor puder me enviar o seu email, terei o maior prazer em remeter o convite. Abs

Deixe um Comentário

Outros Artigos de Wremyr Scliar

O LEGADO DA BÍBLIA HEBRAICA NA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM – 1948

12.11.2018

Comemora -se em   10 de  dezembro setenta anos da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM aprovada pela recém criada...

As Últimas Testemunhas

28.09.2018

SVETLANA ALEXSIEVITCH está de volta às estantes das livrarias com AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS – CEM HISTÓRIAS NÃO INFANTIS, editora...

Quando ela era boa, de Philip Roth

21.09.2018

QUANDO ELA ERA BOA, romance do judeu-americano Philip Roth, de 1967, agora traduzido e editado no Brasil pela Cia....

MAIO – a rendição nazista; Holocausto e a criação do Estado de Israel

04.06.2018

Maio é mes que traz coincidências. Em 8 de maio de 1945, o exército nazista assinou a rendição incondicional perante Zhukov,...

PHILIP ROTH

24.05.2018

A morte do escritor americano-judeu abre uma lacuna na literatura e na memorialística judaica que dificilmente será  preenchida. Embora...