Notícias

Ataque de grupo skinhead nazista em Santa Catarina

17.06.2016

Integrantes de uma banda punk de Joinville  foram atacados na tarde do dia 12 de junho, em São Bento do Sul, Planalto Norte de SC. Quatro homens, de 18, 24, 25 e 26 anos, foram presos. Segundo a Polícia Militar, os presos têm a suástica, o símbolo do nazismo, tatuado pelo corpo.

A banda Poluição Sonora chegava por volta das 15h15 de domingo em uma van com 11 pessoas para tocar num festival punk no Cartola’s Bar, quando foi surpreendida e atacada pelos homens. Segundo a PM, os cinco suspeitos, que fugiram do local, foram encontrados munidos de machados, martelos, estiletes e facas. Dos cinco, quatro agressores foram detidos pela Polícia Militar e levados até a Delegacia Regional, antes de serem encaminhados ao Presídio Regional de Mafra.

O vocalista da banda, Osival Fernandes da Silva, foi até a delegacia registrar um boletim de ocorrência e fazer o reconhecimento dos suspeitos. Ele conta que nas fotos feitas pela polícia, é possível ver suásticas e símbolos supremacistas tatuados pelo corpo dos agressores. A PM confirmou que dois dos agressores tem a suástica nazista tatuada no corpo. Três são de Curitiba-PR e um de Agudos do Sul-PR. Eles devem responder por lesão corporal grave e associação criminosa.

— Eu falei para o delegado, a gente não sabe de onde veio isso. Estou até agora sem entender. A gente busca igualdade para todo mundo — disse o vocalista, que relatou ainda que nunca passou por nada parecido e que não houve nenhum tipo de ameaça.

Quando os policias chegaram ao local, conversaram com as vítimas, que sofreram lesões corporais consideradas graves e gravíssimas. A PM trata o caso como tentativa de homicídio.

Os artistas foram feridos na face, cabeça e pescoço. O vocalista teve um corte no rosto e na mão direta. Outro músico ficou com o olho direito roxo e levou quatro pontos na cabeça. O caso mais grave foi de um músico com um corte profundo no lado esquerdo da cabeça que foi até o pescoço. Uma das orelhas foi quase arrancada por um golpe de machadinha.

O organizador do show, Rudinei Pires, que é uma das testemunhas, acredita que o ato de violência se deve ao preconceito dos agressores.

— A gente estava arrumando, preparando o barzinho e o pessoal de Joinville chegou. Aí apareceram cinco caras, que parecem neonazistas. Chegaram fazendo saudação nazista e foram para cima. O símbolo da banda é um A de Anarquia. Acho que foi por causa disso. O Punk Rock defende a igualdade, o respeito. Os neonazistas têm preconceito contra gays, negros, judeus e nordestinos — relata Rudinei.

Leia Mais

“Quatro anos sem Nisman: a verdade é a melhor homenagem”

Com razão se afirma que o promotor argentino Alberto Nisman foi a 86ª vítima do atentado à organização judaica...

Leia mais

18.01.2019

Aliáh: número de não judeus supera o de judeus em 2018, entenda por quê.

Por Marcus M. Gilban Pela primeira vez desde a independência em 1948, Israel anunciou que o número de olim...

Leia mais

18.01.2019

Minha Ligação Com Um Time da Segunda Divisão da Lituânia, por Amir Bliacheris

Amir Ribemboim Bliacheris O time da foto acima é o FK Utenis Utena, da cidade de Utenas, na Lituânia....

Leia mais

18.01.2019

Sancionada lei que permite faltar a provas por crença religiosa

O Diário Oficial da União publicou, no dia 4 de janeiro, alteração na Lei de Diretrizes e Bases da...

Leia mais

18.01.2019

Turismo de Jerusalém foi o que mais cresceu em 2018

De acordo com ranking divulgado pela Euromonitor International, empresa de pesquisa de mercado global, Jerusalém lidera entre as cidades...

Leia mais

21.12.2018